" Criei um aparelho para unir a humanidade, não para destruí-la. " - Santos Dumont

" Um prisioneiro de guerra é um homem que tentou matá-lo, não conseguiu e agora implora para que você não o mate. " - Winston Churchill
" Não sei como será a terceira guerra mundial, mas sei como será a quarta: com pedras e paus - Albert Einstein
" O objetivo da guerra não é morrer pelo seu país, mas fazer o inimigo morrer pelo dele - George S. Patton. "
" Só os mortos conhecem o fim da guerra " - Platão
"Em tempos de paz, os filhos sepultam os pais; em tempo de guerra, os pais sepultam os filhos." - Herodes

domingo, 25 de janeiro de 2009

Mikoyan Gurevich MiG-29 Fulcrum

Tipo: Caça de superioridade aérea
Pais de origem: Russia
Fabricante: Mikoyan Gurevich
Primeiro voo: 6 Outubro de 1977
Inicio do serviço: Agosto de 1983
Status: Ainda em serviço
Primeiros usuarios: Força Aerea Russa, Força Aerea Ucrâniana, Força Aerea da Argélia e Força Aerea Indiana
Produção: de 1982 até hoje
Total produzido: em torno de 1,257
Custo unitário: US$ 11 milhões
Variantes: MIG-35

Tripulação: Um
Comprimento: 17.37 m
Envergadura: 11.4 m
Altura: 4.73 m
Area das asas: 38 m²
Peso vazio: 11,000 kg
Peso carregado: 16,800 kg
Peso maximo de decolagem: 21,000 kg
Motores: 2 turbinas Klimov RD-33 com pos combustão, 8,300 kgf cada
Velocidade maxima: 2,445 km/h
Alcance: 700 km
Alcance com uso de um tanque adicional: 2,100 km
Altitude maxima: 18,013 m
Razão de subida: inicial 330 m/s

O MiG-29 é um caça a jato projetado pela União Soviética para um papel de superioridade aerea. Seu projeta se iniciou nos anos 70 pela Mikoyan, entrou em serviço na força aérea soviética em 1983, e ainda em uso pela força aérea russa assim como em muitas outras nações. O nome dado pela OTAN é MiG-29 " Fulcrum", foi desenvolvido para se opor aos caças americanos F-16 e F-15.
O MiG-29B foi exportado extensamente nas versões conhecidas como MiG-29B e MiG-29B (para nações do pacto de Varsóvia e do pacto de não-Varsóvia, com menos avionicas e nenhuma capacidade para carregar armas nucleares. A produção total era aproximadamente 840 aviões.
Possui dois motores Klimov RD-33 , cada um com 50.0 kN e 81.3 KN com pos combustão. As entradas de ar auxiliar na fuselagem superior se fecham durante a decolagem e aterrissagem, impedindo a ingestão de detritos em terra, desse modo os motores recebem o ar através das grelhas na perte de cima da fuselagem, que são abertas automaticamente quando as entradas são fechados. O MiG-29B tem um sistema de disparo controlado pelo radar Phazotron RLPK-29 radar look-down/shoot-down de pulso Doppler e computador Ts100.02-02 digital. Pode seguir alvos em até 70 quilômetros de distância na sua frente e 35 quilômetros atrás, em alvos maiores esta distância pode dobrar, podendo acompanhar até dez alvos simultaneamente.
Os MiG-29s tiverem uma história operacional excelente na força aérea indiana que investiu pesadamente nos aviões, entretanto não tem uma boa reputação ao servir as forças aéreas do Iraque e da Iugoslávia. MiG-29s combateu na Guerra do Golfo em 1991 nas mãos de pilotos iraquianos. De acordo com a USAF, cinco MiG-29s foram derrubados por F-15s. Oito pilotos de MiG-29 fugiram para o Irã onde seus aviões são usados agora pela força aérea iraniana, que comprou agora MiG-29s. Um MiG-29UB cubano derrubou dois Cessna 337s pertencentes ao grupo de ajuda em 1996, depois que se aproximaram do espaço aéreo cubano. De acordo com alguns relatórios, em 1999 alguns MIG-29s foram derrubados por Su-27s Etíopes pilotado por mercenários da Russia, sendo perdidos mais dois MiG-21s etíopes e de três MiG-23s. Em 20 abril 2008, os oficiais da Georgia acusaram um MiG-29 russo de abater um UAV a Rússia nega, dizendo que nenhum avião seu voou nesse dia. MiG-29s russos executaram uma missão de apoio aéreo aproximado na invasão russa de regiões da Ossetia do sul no verão de 2008. Em 10 maio 2008, as tropas do Sudão, e força aérea sudanesa com perdeu um MiG-29 devido as metralhadoras pesadas de 12.7 milímetros e de 14.5 milímetros enquanto atacava um comboio de veículos rebeldes nos subúrbios de Khartoum de Omdurman.
De acordo com fontes indianas durante a guerra de Kargil, um par de MiG-29s do esquadrão de IAF 47 derrubaram com sucesso dois F-16s paquistaneses próximos ao espaço aéreo indiano. Os MiG-29s Iugoslavos combateram durante a guerra da antiga Iugoslávia, e foram usados para os ataques ao solo, diversos aviões Antonov An-2 usados pela Croacia foram destruídos em terra em 1991 por um MiG-29. Considerando que diversos aviões MiG-21 foram derrubados por forças Croatas, nenhum MiG-29s foi perdido durante a guerra. Um total de 6 MiG-29s foram perdidos sendo que, 4 MiG-29s foram derrubados por F-15C, 1 por um F-16CJ americanos e 1 por um F-16AM holandês.

Sukhoi Su-22 Fitter

Tipo: Caça bombardeiro
Fabricante: Sukhoi OKB
País de origem: União Soviética
Primeiro voo: 1 Julho de 1969
Inicio do serviço: 1970
Retirado do serviço: 1998 (Russia)
Status: Ainda em uso, mas com serviços limitados
Primeiros usuários: Força Aerea Russa, Força Aerea Egipicia, Força Aerea da Polônia
Produzido: entre 1969–1990
Total produzido: 2,867
Desenvolvido a partir do: Sukhoi Su-7
Tripulação: Um
Comprimento: 19.02 m
Envergadura:
Asas abertas: 13.68 m
Asas fechadas: 10.02 m
Altura: 5.12 m
Area das asas:
Asas abertas: 38.5 m²
Asas fechadas: 34.5 m²
Peso vazio: 12160 kg
Peso carregado: 16400 kg
Peso máximo de decolagem: 19430 kg
Motor: 1 turbina Lyulka AL-21F-3 turbojato com pos combustão
Potência: 76.4 kN
Potência com pos combustão: 109.8 kN
Capacidade de combustivel: 3770 kg
Velocidade máxima: 1860 km/h
Alcance de combate: 1150 km em ataque com 2,000 kg de armamento
Alcance máximo fora de combate: 2300 km
Altitude máxima; 14200 m
Razão de subida: 230 m/
Limite máximo de Força-G : 7g
Tempo de vida da aeronave: 2,000 horas de voo ou 20 anos
Armamento:
2 canhões de 30 mm Nudelman-Rikhter NR-30, 80 cartuchos cada, 2 misseis R-60 (AA-8 'Aphid') para auto defesa, mais de 4000 kg em 10 pontos nas asas, 4 na fuselagem incluindo bombas de queda livre, foguetes, cluster bombas, SPPU-22-01 canhões, pods de guerra eletrônica, napalm e bombas nucleares. Tambem compativel com novos misseis Kh-23 (AS-7 'Kerry'), Kh-25 (AS-10 'Karen'), Kh-29 (AS-14 'Kedge') e Kh-58 (AS-11 'Kilter') misseis e bombas guiadas a laser.

O Sukhoi SU-22 era um avião de ataque soviético desenvolvido do caça-bombardeiro Sukhoi Su-7. Teve uma carreira longa na Russia, sendo exportado para forças aéreas do Oriente Médio.
Procurando melhorar o desempenho em baixa velocidade e na decolagem/aterrissagem do Su-22, em 1963 a Sukhoi criou um protótipo com asas de geometria variável. O SU-22I, de designação, convertido para produção como Su-22BM, tinha partes internas da asa com segmentos exteriores móveis que poderiam variar de 28°, a 45°, ou a 62°, voou em 2 agosto 1966, sendo o primeiro avião soviético de geometria variável. Testes revelaram que as velocidades da decolagem e de aterrissagem tinham diminuído para 50-60 km/h comparados ao Su-22 convencional.
O Su-22 foi incorporado ao serviço em 1970. O avião foi usado extensivamente pelos soviéticos durante a invasão soviética do Afeganistão. Os aeródromos em grandes altitudes e o clima empoeirado e quente criaram desafios operacionais daquela região. No verão, a distância de decolagem dobrou e as aterrissagens terminavam frequentemente com pneus estourados e fogo nos freios, ja em terrra a aviônica falhava com o aquecimento. Entretanto, o motor de AL-21F provou ser tolerante com a ingestão diária de areia, vindo a contaminar o combustível e em 1985 a prontidão de combate da frota diminuiu, os primeiro Su-22 foram substituídos rapidamente pelos Su-22M3 e o Su-22M4 mais capazes. Apesar de sua durabilidade e carga útil, os aviões provaram que não eram adaptados para o combate em terreno montanhoso devido às velocidades elevadas do ataque, à baixa altitude, sua fuselagem provou não ser blindada o suficiente para suportar ataques de artilharia anti aérea, se comparado a proteção do Su-25 que cumpria a tarefa de apoio aéreo aproximado. O missil STRELA 2 Sovietico (contrabandeado do Egipto), o míssil britânico do BLOWPIPE, e o Stinger FIM-92 americano do Redeye FIM-43, apresentaram uma nova ameaça e forçou Su-22, forçando eles a voarem em grandes altitudes, em 1985 somente um Su-22 foi perdido pelo fogo anti aereo. Forçado a operar entre 3500-4000 m acima da terra, Su-22 usavam foguetes não-guiados à bombas, incluindo armas termobaricas. Perto do fim da guerra, a força Su-22 foi substituída parcialmente pelo MiG-27 a fim executar o teste operacional de novo caça bombadeiro. Durante todo a guerra, as forças Afegãs utilizaram Su-22, três foram abatidos por operar proximo ao espaço aéreo do Paquistão por F-16 Paquistaneses. Os Su-22 foram usados em combate pela Líbia e pelo Iraque. Dois aviões líbios foram abatidos na região de Sidra por F-14 Tomcat da marinha amerciana em 19 agosto 1981, usados na Guerra Irã-Iraque e na Guerra do Golfo em 1991. Em um movimento para eliminar aviões de único motor de seu inventário, a força aérea do russa aposentou-se seu último Su-22M4 junto com sua frota de MiG-23/27s em 1998. Cerca de 550 permanecem em serviço em outras nações. Durante a guerra entre Peru e Equador em 1995 , dois Su-22s peruanos foram derrubados por Mirages F-1 Equatorianos, matando ambos os pilotos peruanos.
Varios países utilizaram ou utilizam o SU-22 sendo eles: Armenia, Afeganistão, Argélia, Angola, Arzebaijão, Bielorussia, Bulgaria, Republica Theca, Czechoslovaquia, Alemanha oriental, Egito, Hungria, Iraque, Irã, Libia, Coréia do Norte, Peru, Polônia, Russia, Marinha Russa, Eslovaquia, Siria, Turkmenistão, Ucrânia, Uzbequistão, Vietnã e Iemên.

sábado, 24 de janeiro de 2009

Sukhoi Su-47 Berkut

Tipo: Caça
Fabricante: Sukhoi
Primeiro voo: 25 Setembro de 1997
Inicio de operação: Janeiro 2000
Status: Ainda não entrou em serviço, aeronave experimental
Usuario: Força Aerea Russa
Total produzido: até o momento apenas um
Custo unitario: US$ 70 milhões
Tripulação: 1
Comprimento: 22.6 m
Envergadura: 15.16 m a 16.7 m
Altura: 6.3 m
Area das asas: 61.87 m²
Peso vazio: 16,375 kg
Peso carregado: 25,000 kg
Peso máximo de decolagem: 35,000 kg
Motores: 2 turbinas Lyulka AL-37FU ou 2 Aviadvigatel D-30F6 com pos combustão, com vetoração com controles digitais
Potência da turbina: 83.4 kN cada
Potênica da turbina com pos combustão: 142.2 kN cada
Vetoração das turbinas: ±20° e 30°
Velocidade máxima: 2,500 kmh, ao nível do mar: 1,400 km/h
Alcance: 3,300 km
Altitude de serviço: 18,000 m
Razão de subida: 233 m/s
Armamento: Numero de pontos de armas: 14, 2 externos, 6-8 internos, 6-4 sob a fuselagem, 1 metralhadora de 30 mm GSh-30-1 com 150 cartuchos, podendo carregar misseis ar-ar: R-77, R-77PD, R-73, K-74 e misseis ar-terra: X-29T, X-29L, X-59M, X-31P, X-31A, KAB-500, KAB-1500

O Sukhoi Su-47 Berkut, igualmente designado SU-32 e SU-37 durante o desenvolvimento inicial, é um jato supersonico experimental desenvolvido pela Sukhoi Aviation Corporation. Uma característica de distinção dos demais aviões é sua asa de enflechamento negativo. O único avião produzido é um protótipo para demonstração da tecnologia avançada e a construção de um segundo protótipo está seriamente ameaçado devido a pequena verba dada pelo governo russo para as duas empresas Sukhoi e Mig para o desenvolvimento de aviões de quinta geração.
A fuselagem de Su-47 é oval no seção transversal e a fuselagem é construída principalmente de ligas de alumínio e titanium e de 13% de materiais compostos. O radome do nariz é aplainado ligeiramente na seção dianteira, e tem uma borda horizontal para aperfeiçoar as características anti-rotação.
O Su-47 tem uma agilidade extremamente elevada em velocidades subsonicas, permitindo os aviões alterar rapidamente seu ângulo de ataque e seu trajeto de vôo ao manter a maneabilidade no vôo supersonico. O Su-47 tem uma velocidade máxima do Mach 2.34 e em grandes altitudes e uma maior capacidade de até 9g. O maior problema desta aeronave, entretanto, é que o Su-47 está tem um risco elevado para à rotação fora do controle com pouca possibilidade de recuperação do avião. A asa para frente, comparada a uma asa para trás de mesma área, fornece um número de vantagens: menos arrasto, capacidade mais elevada em manobras em duelos no ar, superior velocidade subsonica, características anti-rotação, estabilidade melhorada no ângulo de ataque elevado, uma velocidade mínima de voo, uma distância mais curta da decolagem e de aterrissagem. Caça de quinta geração com caracteristicas de invisibildade aos radares.

Lockheed F-104 Starfighter

Tipo: Interceptador e bombardeiro
Fabricante: Lockheed
Primeiro voo: 4 Março de 1954
Inicio do serviço: 20 Fevereiro de 1958
Retirado de serviço: 2004 (Italia)
Primeiros usuários: Luftwaffe,Força Aérea dos Estados Unidos, Forças de Auto-defesa do Japão e Força Aerea da Turquia
Quantidade produzida: 2,578
Custo unitário: US$ 1.42 milhões (F-104G)
Tripulãção: 1
Comprimento: 16.66 m
Envergadura: 6.36 m
Altura: 4.09 m
Area das asas: 18.22 m²
Peso vazio: 6,350 kg
Peso carregado: 9,365 kg
Max takeoff weight: 13,170 kg
Motor: 1 turbina General Electric J79-GE-11A com pos combustão
Potência do motor: 48 kN
Potência com pos combustão: 69 kN
Velocidade máxima: 2,125 km/h
Alcance de combate: 670 km
Alcance de voo: 2,623 km
Altitude máxima: 15,000 m
Razão de subida: 244 m/s
Armamento: 1 metralhadora de 20 mm M61 Vulcan com 725 cartuchos, trilhos nas extremidades das asas para misseis Sidewinder, suporte externos para cargas militares de 1.814 kg ou uma bomba nuclear B43.

Um dos aviões de forma mais extraordinária, o F-104 foi desenvolvido durante a Guerra da Coréia como um caça capaz de assumir o dominio do céu. Graças as suas asas muito finas seu arrasto aerodinâmico era minimo, para voar a velocidades tão grandes, as asas do F-104 eram finas como facas no bordo de ataque, quando o avião estava em terra suas asas tinham que ser protegidas, para que ninguem em terra viesse a se cortar com suas asas tão finas. Utiizado na Guerra do Vietnã, no Conflito entre a China e Taiwan que disputavam a ilha de Kinmen, a Guerra entre India e Paquistão e nas Forças da Otan.
O Lockheed F-104 Starfighter era um avião de interceptação e bombardeiro nuclear, que serviu na USAF de 1958 até 1967. A NASA voou com uma frota pequena de F-104 em testes supersonicos e programas de voo espacial até serem aposentados em 1994. Um série de modificações produziu o modelo de F-104G, que ganhou uma competição da OTAN para um caça-bombardeiro sendo usado por várias forças aéreas européias nos finais dos anos 80. A força aérea italiana foi o último operador do Starfighter, aposentando o último de sua frota em 2004.
As causas de um grande número de perdas de aviões eram as mesmas para qualquer outra aeronave similar. Incluíam choque com passaros, curto circuitos, desorientação espacial do piloto e colisões no ar com outros aviões. Tendo 21 variantes e um total de 2.578 aviões produzidos, sendo usados por diversos paises sendo eles: Belgica, Canada, China, Dinamarca, Alemanha, Grecia, Italia, Japão, Jordania, Holanada, Noruega, Paquistão, Espanha, Turquia e Estados Unidos.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Messerschmitt Me 163 Komet

Tipo: Caça interceptador
Fabricante: Messerschmitt
Primeiro voo: Me 163 A em 1 Setembro de 1941
Início do serviço: 1944
Usuário: Luftwaffe
Tripulação: 1
Comprimento: 5.70 m
Envergadura: 9.33 m
Altura: 2.75 m
Aréa das asas: 18.5 m²
Peso vazio: 1,905 kg
Peso carregado: 3,950 kg
Peso máximo de decolagem: 4,310 kg
Motor: 1× Walter HWK 509A-1, combustivel liquido de foguete, 17 kN
Velocidade máxima: 960 km/h
Duração do voo: 8 minutos
Raio de alcance: 40 km
Altitude de serviço: 12,100 m
Razão de subida : 160 m/s
Armamento: 2 canhões MK 108 de 30 mm, cada um com 60 cartuchos

Um dos mais extraordinarios aviões de guerra de todos os tempos, o ME 163 foi concebido para o ataque, após uma ascenção a toda potência, o piloto do ME 163 efetuava uma série de ataques em picada através da formação de bombardeiros diurnos da Força Aérea Americana, com seus dois canhões de 30 mm de grande poder. Precisasa esperar 2 minutos antes de reacender seu motor-foguete para novamente ganhar altitude de ataque. O Komet com era chamado decolava com a ajuda de uma carreta e pousava sobre um patim, sendo marcado por numerosos acidentes causados pela delicada decolagem a carreta, que com frequência se chocava contra o avião após ser solta.
As operações começaram em 1944, como esperado, o avião era extremamente rápido, e por um momento os aliados estavam sem saber como combate-ló. Sozinho ou em pares, o Komets usavam a tática de subir até aos 12.000 de altura e mergulhar sobre as formações de bombardeiros que estavam a 9.000 m de altura. Os pilotos relataram que era possível fazer quatro passadas sobre um bombardeiro, mas somente quando o mesmo estava voando sozinho. Enquanto a cabine do piloto não era pressurizada, o teto operacional foi limitado porque o piloto poderia resistir por poucos minutos com oxigênio de sua máscara, sem perder a consciência. As primeiras ações ocorreram no fim de julho, atacando dois bombardeiros B-17 da USAAF sem perdas de maio 1944 à primavera de 1945. No fim de 1944, 91 aviões tinham sido entregues ao JG 400 mas a falta de combustível mantinha a maioria deles em terra. Mas ao mesmo tempo o Komet era um projeto notável, era uma prova forte que um dia o avião a hélice acabaria. Finalmente, o papel da defesa do ME 163 seria tomado pelos mísseis terra-ar (SAM). O desenhista da fuselagem do ME 163, Alexander Martin Lippisch foi o projetista dos aviões supersonicos em da Empresa Convair.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Dassault Mirage F1

Tipo: Caça mono-biplace de múltiplo emprego
Fabricante: Dassault Aviation
Primeiro voo: 23 de Dezembro 1966
Início do serviço: 1973
Usuários: Equador, França, Gabon, Irã, Jordânia, Líbia, Marrocos, Espanha, Grécia, Iraque, Kuwait, Qatar e África do Sul
Total construido: 700
Desenvolvido à partir: Mirage III
Tripulação: 1
Comprimento: 15.33 m
Envergadura: 8.44 m
Altura: 4.49 m
Aréa das asas: 25 m²
Peso vazio: 7,400 kg
Peso máximo: 11,130 kg
Peso máximo de decolagem: 16,200 kg
Motor: 1 reator SNECMA Atar 9K-50 de 7.200 kg de empuxo com pós-combustão
Velocidade máxima: 2,573 km/h
Raio de combate: 425 km
Raio de ação: 2,150 km
Altitude de serviço: 20,000 m
Razão de subida: 215 m/s
Armamento: 2 canhões de 30 mm DEFA 553 com 150 cartuchos por canhão, com 8 pontos externos, cerca de 6.300 kg de armas entre os mísseis ar-ar Matra Super 530F, R 530D, 550 Magic 2, V38 Kukri, V3C Darter, mísseis anti-radar, ARMAT, bombas guiadas por laser, mísseis anti-navio Exocet e bombas anti-pista Durandal

Se o desempenho em combate fosse usado como avaliação de qualidade, F1 seria um dos melhores caças do mundo. Dos 13 países que adquiriram esse avião, 6 empregaram-no em combate. O Mirage F-1 foi concebido para substituir o fenomenal Mirage III. Os primeiros dos 162 F1C e F1C-200 entraram em serviço em 1973, na Força Aérea Francesa, que receberia depois 20 biplaces, de treinamento. A partir de 1995, a maior parte desses aviões foram substituidos por caças Mirage 2000C. Do mesmo modo que o Mirage III, tambem o F1 teve belo êxito comercial, principalmente a versão multiemprego F1E e o F1A de ataque ao solo.
Os F1C-200 da Líbia foram empregados durante a invasão do Chade. Os F-1C da Força Aérea Francesa participaram da defesa dos Emirados Árabes e do Qatar, durante as operaçãoes Escudo e Tempestade do Deserto. Armados com mísseis anti-navio Exocet os F1EQ Iraquianos afundaram e avariaram numerosos navios petroleiros no Golfo, nos anos 80.

Arado 196A - 3 - Luftwaffe

Tipo: Patrulha marítima e ataque ligeiro
Fabricante: Arado
Primeiro voo: maio 1937
Inicio do serviço: novembro 1938
Usuários: Bulgária, Noruega, Finlândia, Romênia e Alemanha Nazista
Produção: 1938 à 1944
Total produzidos: 541
Tripulação: 2 (piloto e observador)
Comprimento: 11.7 m
Envergadura: 15.1 m
Altura: 5 m
Aréa das asas: 37.9 m²
Peso vazio: 2,980 kg
Peso máximo de decolagem: 3,720 kg
Motores: 1× BMW 132 k, 9 cilindros, refrigerado a ar, com potência de 716 kW
Velocidade máxima: 311 km/h
Raio de ação: 1,080 km
Teto de serviço: 7,010 m
Razão de subida: 300 m/min
Armamento: 1 metralhadora 7.92 mm MG 15 na parte traseira da cabine utilizada pelo observador, 1 metralhadora 7.92 mm MG 17 no lado direito da fuselagem, 2 canhões 20 mm MG FF com 60 cartuchos um em cada asa, um suporte em cada asa para uma bomba de 50 kg.

Com estrutura robusta e armamento importante, o Ar 196 foi o hidroavião de flutuadores padrão da Luftwaffe, executando ao mesmo tempo missões de patrulha marítima a partir de bases costeiras e missões em alto mar, tinha um motor BMW 312K radial era um motor confiável e de bom desempenho, capaz de resistir em operações contínuas sobre o mar, embarcado nas grandes unidades da Marinha de Guerra Alemã como os encouraçados Bismark e Tirpitz cada um com. 4 aviões Ar 196, do mesmo modo que os pesados cruzadores Graf Spee, Scharnhorst, Gneisenau, Lützow, Admiral Scheer e Prinz Eugen. Eles executavam missões de reconhecimento voando em busca de navios inimigos e coordenando o fogo dos enormes canhões dos navios alemães, podendo eles levar bombas para atacar navios inimigos. Eram lançados por catapultas e recuperados na água por guindastes. Foi utilizado até o fim da segunda guerra.

domingo, 18 de janeiro de 2009

Missil Arrow 2 ATBM

Tipo: Missil anti-balistico/interceptador
País de origem: Israel
Inicio do serviço: Outubro 2000
Fabricante: IMI, Tadiran, Israel Aerospace Industries
Usuário: Apenas Israel
Custo unitário: US$ 3 milhões
Peso: 1,300 kg
Comprimento: 7 m
Diâmetro: 800 mm
Ogiva: Guiada de explosão e fragmentação
Motor: 2 estágios
Alcance: 90 km
Altitude de vôo: 50 km
Velocidade: 11.000 km/h /2.5 km/s
Sistema de guiagem: Radar de localização de alvoEL/M-2080 "Green Pine"
Plataforma de lançamento: Lançador em terra de seis tubos

O Arrow 2 é um sistema da defesa baseado em terra, é o primeiro míssil desenvolvido por Israel especificamente projetado e construído para interceptar e destruir mísseis balísticos em seu território. Pode interceptar seus alvos na estratosfera (alguns sistemas, tais como RIM-161, são desenvolvidos para interceptação no espaço, outro, tal como PAC-3, são projetados para alvos na atmosfera. Israel em seu programa de desenvolvimento de mísseis balísticos já gastou cerca de U$2 bilhões até agora. O sistema foi desenvolvido no final dos anos 80, em 29 Julho de 2004, em Israel e nos Estados Unidos foram realizados testes, onde o Arrow interceptou um míssil Scud, destruindo precisamente em uma batida direta. Em dezembro 2005 o sistema foi testado com sucesso outra vez, contra um Scud. Sendo repetido em 11 fevereiro de 2007, com a mesma precisão. Depois dos testes foi aprovado pelo ministro da defesa de Israel, Shaul Mofaz. O sucesso do teste é uma prova adicional da superioridade tecnologica da defesa de Israel.

FMA IA 58 Pucará

Tipo: Anti-guerrilha e Ataque ao solo
Fabricante: FMA
Primeiro vôo: 20 Agosto de 1969
Inicio do serviço: 1975
Status: Ainda em uso
Usuários: Argentina, Colômbia, Sri Lanka e Uruguai
Produção: 1976-1986
Total produzidos: 160
Tripulação: 2

Comprimento: 14.25 m
Envergadura: 14.5 m
Altura: 5.36 m
Aréa das asas: 30.3 m²
Peso vazio: 4020 kg
Peso máximo: 6800 kg
Motores: 2 × Turbomeca Astazou XVIG turboprops 729 kW cada
Velocidade máxima: 500 km/h
Velocidade de cruzeiro: 430 km/h
Alcance: 3710 km
Altitude de serviço: 10000 m
Armamentos:
2 canhões de 20 mm Hispano-Suiza HS.804
4 metralhadoras 7.62 mm FM M2-20
3 pontos em cada asa para 1,500 kg armamento entre canhões, bombas, foguetes, minas e torpedos

O FMA IA 58 Pucará é uma aeronave de ataque ao solo e anti-guerrilha. Mono e biplace de construção inteiramente metálica, com assentos ejetáveis tipo zero/zero e trem de pouso retrátil, fabricado pela Fabrica Militar de Aviões da Argentina. O desenvolvimento começou em agosto 1966. O primeiro protótipo, voou em 20 agosto 1969. O IA-58 foi projetado para operar em aeródromos pequenos na linha de frente.
As primeiras unidades foram entregues em 1975 à força aérea de Argentina chegando a 100 aeronaves entregues até 1982. Unidades foram deslocadas para o sul durante a guerra das Malvinas. A pista de decolagem pavimentada no aeroporto portuário de Stanley não era suficientemente longa para os A-4 Skyhawk e Mirage III , muitos Pucarás foram destruídos em terra por forças britânicas antes de participar no combate real. Os aviões que participaram dos combates estavam armados geralmente com as bombas não-guiadas, foguetes de 70mm, ou metralhadoras de 7.62mm. Um único helicóptero dos fuzileiros navais Britânico foi derrubado pelo Pucará em 28 de maio, a única vitória confirmada. Um total de seis Pucarás foram destruídos, junto com outros cinco aviões danificados. Os Pucarás 1993 a 1999 foram usados em operações no Sri Lanka. Três foram destruídos durante manobras do combate. Em 2007, um IA-58 do Força Aérea Argentina foi convertido para usar um motor a jato com biocombustivel. O projeto financiado e dirigido pelo governo de Argentino, sendo a segunda nação no mundo a usar bio-combustível em um avião a jato. O projeto pretende fazer a FAA menos dependente de combustíveis fósseis.

sábado, 17 de janeiro de 2009

Grumman OV-1 Mohawk

Tipo: Ataque leve e observação
Fabricante: Grumman
Primeiro vôo: 14 abril de 1959
Inicio do serviço: Outubro de 1959
Usuários: Exército dos Estados Unidos, Argentina, Coréia do Sul e Israel
Tripulação: 2, piloto & observador
Comprimento: 12.50 m
Envergadura: 14.63 m
Altura: 3.86 m
Aréa das asas: 33.4 m²
Peso vazio: 5,330 kg
Peso máximo de decolagem: 8,215 kg
Motores: 2× Lycoming T53-L-701, 1044 kW
Velocidade máxima: 490 km/h
Alcance: 1,520 km
Altitude de serviço: 7,620 m
Razão de subida: 17.5 m/s
O Grumman OV-1 Mohawk é um avião militar armado de observação e ataque, de dois assentos lado a lado. O Mohawk foi projetado para operar em pistas curtas, para apoio a forças do exército. Os pilotos e observadores dos Mohawks no Vietnã podiam detectar um Vietcong devido a sua visibilidade excelente através da cabine em forma de bolha e sensores, atacando imediatamente com os foguetes de 2.75 polegadas e metralhadoras .50. Os motores com turbina T53 gêmeos montados horizontalmente, girando 3 hélices laminadas, eram muito quietos assim os inimigos não podia ouvi-los. Ao contrário, os rotores dos helicópteros como Huey ou Cobras, faziam muito barulho, detectável a kilometros de distância. Um Mohawk, pilotado pelo capitão Ken Lee, derrubou um MIG-17 em 1968 no Laos próximo ao Vietnã do Norte. Os comandantes do exército tinham seus próprios aviões de asa fixa, capazes de fornecer apoio aéreo rápido nas bases, que estariam sendo atacadas por vietcongs, sendo mais rápidos que os aviões da U.S.A.F.
As pressões do U.S.A.F. fizeram com que o exército mudasse os seus Mohawks , de aeronaves de ataque para meras plataformas de observação, uma prática que continuou até sua retirada em 1996.

Videos de aviões

Loading...