" Criei um aparelho para unir a humanidade, não para destruí-la. " - Santos Dumont

" Um prisioneiro de guerra é um homem que tentou matá-lo, não conseguiu e agora implora para que você não o mate. " - Winston Churchill
" Não sei como será a terceira guerra mundial, mas sei como será a quarta: com pedras e paus - Albert Einstein
" O objetivo da guerra não é morrer pelo seu país, mas fazer o inimigo morrer pelo dele - George S. Patton. "
" Só os mortos conhecem o fim da guerra " - Platão
"Em tempos de paz, os filhos sepultam os pais; em tempo de guerra, os pais sepultam os filhos." - Herodes

sábado, 31 de março de 2012

Mikoyan-Gurevich MiG-23 "Flogger"

Tipo: Caça interceptador e bombardeiro
Fabricante: Mikoyan-Gurevich
Primeiro voo: 10 de junho de 1967
Inicio do serviço: 1970
Status: ainda em serviço
Primeiros usuários: União Soviética, India e Coréia do Norte
Produção: 1967 a 1985
Total produzido: cerca de 5.047
Variante: Mikoyan MiG-27
Tripulação: 1
Comprimento: 16.70 m
Envergadura: 13.97 m
Altura: 4.82 m
Área das asas: 37.35 m² asas fechada, 34.16 m² abertas
Peso vazio: 9.595 kg
Peso carregado: 15.700 kg
Peso máximo de decolagem: 18.030 kg
Motor: 1 turbina Khatchaturov R-35-300 com 8.850 kg sem pós combustão e 13.018 kg com pós combustão
Velocidade máxima: 2.445 km/h
Alcance de combate: 1.150 km
Alcance máximo: 2.820 km
Altitude de serviço: 18.500 m
Razão de subida: 240 m/s 
Armamento: 1 canhão de 23 mm Gryazev-Shipunov GSh-23L com 200 cartuchos, com 6 pontos, 2 sob a fuselagem e 2 em cada asa, podendo transportar 3.000 kg de armamento, incluindo R-23/24 (AA-7 "Apex"), R-60 (AA-8 "Aphid"), R-27 (AA-10 "Alamo"), R-73 (AA-11 "Archer") e R-77 (AA-12 "Adder"). 

   O Mikoyan-Gurevich MiG-23 é um caça de geometria variável, projetado pela Mikoyan-Gurevich na antiga União Soviética. Considera-se à terceira geração soviética de caça, junto com o MiG-25 "Foxbat". Foi a primeira tentativa por parte da União Soviética de projetar um radar look-down/shoot-down e um dos primeiros a ser armado com mísseis além do alcance visual e o primeiro avião de combate em produção com entradas nas laterais da fuselagem. A produção começou em 1970 e atingiu um grande número com mais de 5.000 aeronaves produzidas. Hoje, o MiG-23 continua em serviço em vários clientes de exportação.
   O MiG-23 antecessor, do MiG-21 "Fishbed", mais rápido e ágil, porem mas limitado nas suas capacidades operacionais devido seu radar primitivo, de curto alcance e carga de armas limitada (restrita em algumas aeronaves a um par de misseis de curto alcance R-3/K-13 (AA-2 "Atoll"). O MiG-23 é um aparelho mais pesado, sendo projetado para suprir estas deficiências e capaz de combater aeronaves ocidentais como o F-4 Phantom. O novo caça era capaz de disparar misseis além do campo visual.
   O projeto inicial visava o desempenho do pouso, já que vários caças soviéticos necessitavam de pistas muito longas, combinados com seu alcance limitado, restrito a sua utilidade tática. Foi exigido uma aeronave com uma decolagem muito mais curta e ser mais manobrável que o MiG-21, criando assim o MIG-23 com asas de geometria variável.
   O F-111 da General Dynamics e o McDonnell Douglas F-4 Phantom II foram as principais influências ocidentais sobre o MiG-23. No entanto, os russos, queriam um caça mais leve e monomotor para maximizar a agilidade. Tanto o F-111 como o MiG-23 foram concebidos como caças, mas o grande peso e instabilidade do F-111 transformou-o num interceptador de longo alcance e o manteve fora do papel de caça. Já o MiG-23 manteve sua agilidade o suficiente para duelo com caças inimigos.
   O MiG-23 obteve atualizações capazes de evoluir em relação aos aviônicos e armamentos. As primeiras versões, eram equipadas com o sistema de controle de fogo do MIG-21. O motivo do MIG-23 não ter mais versões modernas, era o MiG-29, já que a Mikoyan, decidiu concentrar todos os seus esforços neste programa, parando os trabalhos no MiG-23. 
   O MiG-23 tinha a vantagem de ser muito barato no início de 1980, custando entre US$ 3,6 milhões e 6,6 milhões de dólares, dependendo do cliente, por outro lado, em 1980, o General Dynamics F-16 Fighting Falcon custava US$ 14 milhões e o Flogger do Oeste foi o israelense Kfir C2 que custava 4,5 milhões. Isto permitiu que os soviéticos a produzissem em massa o MiG-23, a fim de ganhar uma vantagem quantitativa sobre as forças aéreas da OTAN, especialmente desde que o mundo ocidental  recuou sob os efeitos da crise do petróleo de 1973.
   Os MIG-23 foram utilizados em vários conflitos durante décadas, entre elas a Guerra dos seis dias, Guerra Irã-Iraque, Guerra Civil de Angola, Guerra Soviética no Afeganistão, Líbia, Egito, Guerra do Golfo e Etiópia.
   Muitos potenciais inimigos da URSS tiveram a oportunidade de avaliar o desempenho do MiG-23. Na década de 1970, depois de um realinhamento político do governo egípcio, foi entregue caças MiG-23MS aos Estados Unidos e a China em troca de equipamentos militares. Um piloto holandês, que voou mais de 1.200 horas no F-16, voou contra o MiG-23, como parte da formação da OTAN de combate aéreo simulado com equipamento soviético. Ele concluiu que o MiG-23ML era superior ao F-16. Os israelenses testaram um MiG-23 levado a eles por um desertor da Síria, e descobriu que ele tinha uma melhor aceleração do que o F-16 e F/A-18. 
Além disso, um piloto cubano voou com um MiG-23 para os EUA em 1991, e um MIG-23 líbio também fugiu para a Grécia em 1981. Em ambos os casos, as aeronaves foram posteriormente repatriadas. Na Guerra do Vietnã caças F-5 capturados pelo norte vietnamitas foram enviados para a URSS para avaliação. Os russos reconheceram que o F-5 era uma aeronave muito ágil, e em algumas velocidades e altitudes melhor do que o MiG-23M, um dos principais motivos pelos quais houve o desenvolvimento do MiG-23MLD e do novo MiG-29.
Os primeiros relatos ocidentais afirmaram que a aeronave tinha capacidade de dogfighting fraca, mas análises posteriores mostraram que o MiG-23 era equivalente ao F-4, superado apenas pelos mais recentes caças como o F-15 e F-16. O MiG-23 é considerado um caça a jato de terceira geração. O manual de combate soviético indica que o MiG-23MLD tem uma leve superioridade sobre os F-4 e Kfir, mas não é páreo para o F- 15 e F-16 na maioria dos combates. 



terça-feira, 27 de março de 2012

Lockheed Martin F-35 Lightning II


Tipo: Caça invisível multi função
País de origem: Estados Unidos
Fabricante: Lockheed Martin
Primeiro voo: 15 dezembro de 2006
Inicio do serviço: previsão para 2016
Status: em fase inicial de produção e treinamento de pilotos
Producão: de 2006 até hoje
Total produzido: cerca de 63
Estimativa de produção: 2.443
Custo unitário: modelo A: US$ 197 milhões, modelo B: US$ 237.7 milhões, modelo C: US$ 236.8 milhões
Desenvolvido a partir: Lockheed Martin X-35

Tripulação: 1
Comprimento: 15.37 m
Envergadura: 10.65 m
Altura: 5.28 m
Área das asas: 42.70 m2
Peso vazio: 11.793 kg
Peso carregado: 19.960 kg
Peso máximo de decolagem: 27.220 kg
Motor: 1 turbina Pratt & Whitney F135 com pós-combustão acoplado ao Sistema de Levantamento vertical Rolls-Royce com 8.165 kg de empuxo 
Empuxo: 12.700 kg
Empuxo com pós combustão: 19.504 kg
Velocidade máxima: 1.930 km/h
Alcance: 2.222 km
Armamentos: O F-35C é capaz de transportar 15.430 kg de armas para a batalha. O armamento pesado começa com o poderoso canhão de canos GAU-22 / A de 25 mm com 220 cartuchos em um pod externo. O F-35 tem seis pontos externos para armas e dois baías internas com dois pontos cada. Os mísseis que o F-35C pode transportar são: (Ar-Ar) AIM-120 AMRAAM, AIM-132 ASRAAM, AIM-9X Sidewinder, (Ar-Superficie) AGM-154 JSOW, AGM-158 JASSM, ( Bombas) submunições, guiadas a laser, JDAM, Mk.20 Rockeye II, Mark 84, Mark 83 e a Mark 82. 
Diferença entre os modelos 
F-35A
CTOL
F-35B
STOVL
F-35C
PORTA AVIÕES
Comprimento  (15.7 m)  (15.6 m)     (15.7 m)
Envergadura  (10.7 m)  (10.7 m)     (13.1 m)
Área das asas  (42.7 m²)  (42.7 m²)     (62.1 m²)
Peso vazio(13,300 kg) (14,500 kg)    (15,800 kg)
Combustível interno (8,390 kg)  (6,030 kg)     (8,890 kg)
Peso máximo de decolagem (31,800 kg) (27,000 kg)    (31,800 kg)
Alcance (2,220 km) (1,670 km)     (2,520 km)
Alcance de combate (1,082 km)   (709 km)     (1,185 km)
Custo unitário em dólares197 milhões 237 milhões     236 milhões

   O Lockheed Martin F-35 era uma aeronave experimental desenvolvido pela Lockheed Martin para o Programa Joint Strike Fighter. Foi declarado vencedor contra o Boeing X-32 e passou a entrar em produção no início do século 21 como F-35 Lightning II.
O Joint Strike Fighter evoluiu a partir de vários requisitos para um caça comum para substituir modelos existentes. O contrato de desenvolvimento real JSF foi assinado em 16 de Novembro de 1996. O programa JSF foi criado para substituir diversas aeronaves, mantendo o desenvolvimento, produção e custos operacionais baixos.
   O primeiro foi o F-35A, um caça convencional de decolagem e pouso convencional (CTOL). É a versão menor e mais leve, e destina-se principalmente para substituir o envelhecimento F-16 e A-10 Thunderbolt II. Esta é a única versão com um canhão interno, o GAU-22. Este canhão de 25 mm é uma atualização da Vulcan 20 de mm M61 usado por caças da USAF desde o F-104 Starfighter. As entregas foram prevista para começar em 2011. O F-35B é um caça de decolagem curta e pouso vertical (STOVL) destinado a substituir os AV-8 Harrier II e os F/A-18 Hornet americanos e britânicos a partir deste ano.    A Marinha Real vai substituir seus Harrier GR7 e GR9. Os Fuzileiros Navais Americanos vão utilizar o F-35B para substituir tanto os AV-8B Harrier II e os F/A-18 Hornets. Tal como o Harrier, o F-35 irá transportar suas armas em um pods. Por último, o F-35C, uma variante baseado em porta-aviões, que substituirá o "legado" do F/A-18 Hornet e servir como um complemento do F/A-18E/F Super Hornet. O modelo C terá uma asa maior, dobrável e grandes superfícies de controle para baixas velocidades e um trem de aterrissagem mais forte devido as tensões de pouso em porta-aviões. Uma maior área das asas fornece um aumento de carga útil, obtendo a mesma capacidade de carga do Super Hornet. A Marinha dos EUA planeja comprar 480 F-35, com entregas programadas para começar em 2012.
Já o F-35C tem como principais clientes e financiadores os Estados Unidos e Reino Unido. Oito outras nações também estão financiando o desenvolvimento do avião, decidindo se querem ou não comprá-los. Os custos totais do programa de desenvolvimento, menos compras, são estimados em mais de US$ 40 bilhões de dólares, dos quais 10% vem do Reino Unido, 1 bilhão da Itália, Holanda com 800 milhões, Canadá com 440 milhões, Turquia com 175 milhões, Austrália com 144 milhões, Noruega com 122 milhões e Dinamarca com 110 milhões. Os valores geralmente refletem a participação financeira no programa, a quantidade de transferência de tecnologia e subcontratos com a participação de empresas nacionais e a ordem de prioridade em que os países podem obter aeronaves. Israel e Cingapura também se juntaram como participantes. 
   Elementos do projeto F-35 foram usados pelo Raptor F-22. Em Junho de 1994, a Lockheed, que fundiu-se com Martin Marietta para formar Lockheed Martin, revelou que ele havia entrado em uma relação de colaboração com Yakovlev, já que o programa Yak-141, emprega um sistema de propulsão similar. 
   Em vez de motores de elevadores ou bicos rotativos na ventoinha do motor como o Harrier, o F-35B usa um ventilador elevador no eixo do motor, patenteado pela Lockheed Martin e desenvolvido pela Rolls-Royce. Um motor turboélice incorporado na fuselagem, usa a potência do eixo do motor, alimentando  um ventilador montado verticalmente, localizado à frente do motor principal, no centro da aeronave. Tal ventilador também reduz os efeitos nocivos do calor e do ar em alta velocidade que pode prejudicar o  pavimento da pista ou um deck dos porta-aviões. 
   Em 20 de Julho de 2001, para demonstrar a capacidade única do F-35 a aeronave STOVL X-35B decolou em menos de 150 m, fez um voo supersônico e aterrizou verticalmente. No dia 26 de outubro de 2001 o contrato para o Desenvolvimento do Sistema e Demonstração foi concedido para a Lockheed Martin, vencendo o Boeing X-32.



domingo, 25 de março de 2012

Bomba de 10.000 kg "Grand Slam"

Tipo: Bomba de penetração
País de origem: Reino Unido
Desenvolvida: 1943
Usada em serviço: 1944 a 1945
Utilizado: pela Real Força Aérea
Fabricante: VickersSheffield Clyde Alloy/Steel Company of Scotland, Blochairn, Glasgow
Produção: 1944
Total produzido: cerca de 99 produzidas e 42 usadas
Peso: 10.000 kg 
Comprimento: 7.70 m
Comprimento da cauda: 4.11 m
Diâmetro: 1.17 m 
Explosivo: Torpex D1 produto 50% mais potente que TNT, sendo misturado 42% de RDX, 40 % de TNT e 18% de alumínio em pó.
Peso do explosivo: 4.144 kg 
Mecanismo de detonação: impacto mais antes a bomba penetra 40 m de terra ou até 6 m de concreto antes de explodir 

   A Grand Slam foi uma bomba terremoto de 10.000 kg utilizado pelo Comando de Bombardeiros da RAF contra alvos estratégicos durante a Segunda Guerra Mundial.

Conhecido oficialmente como uma bomba de média capacidade, seu o inventor Barnes Wallis, tinha desenvolvido uma espécie de bomba terremoto. 
   Em 18 de julho de 1943, começaram os trabalhos sobre uma versão maior da bomba Tallboy, que se tornou a Grand Slam. Tal como acontece com a Tallboy original, as aletas do Grand Slam gera um giro de estabilização, possui uma espessa blindagem, o que permitiu uma penetração mais profunda. A Grand Slam, tinha uma baixa taxa de produção e um elevado valor por bomba, as tripulações foram orientados a retornar com suas bombas não utilizados a bordo, em vez de abandona-las ao mar se uma missão fosse abortada.
Após o lançamento utilizando o bombardeiro Avro Lancaster B.Mk 1, a Grand Slam atingiria uma supersônica velocidade, aproximando-se de 4.000 km/h, com isso haveria uma profunda penetração no solo, com a explosão causaria um pequeno terremoto devido a violência da explosão, destruindo a fundação de um alvo.
A Grand Slam não tinha sido projetado para penetrar diretamente paredes de concreto e tendem a detonar prematuramente ou quebrar, ainda assim eram muito mais eficaz do que qualquer bomba existente. 

Bomba Tallboy
Tallboy 6 toneladas
Peso Total6943 Kg
Longo
6,40 m
Diâmetro0,95 m
Carga / peso45%
Altura de lançamento  6000 m    
As aletas de bombas Tallboy foi projetado para que a bomba girasse durante a queda. A velocidade de queda chegava a velocidade do som, podendo abrir uma cratera de 24 metros de profundidade e que  podia passar por uma laje de concreto de cerca de 5 metros de espessura. Três bombas atingiu e afundou  o navio alemão Tirpitz e destruir algumas rampas de lançamento de misseis V1 e V2. Cerca de  884 Tallboys foram lançadas durante a guerra.
Bomba Grandslam
Grandslam 10 toneladas
Peso Total13,886 Kg  
Longo7,85 m
Diâmetro1,20 m
Carga / peso45%
Altura de lançamento   10.000 m
   A bomba Grandslam ou bomba "terremoto" era basicamente uma Tallboy maior. Só podia ser transportado por meio de aeronaves especiais tal como o Lancaster Mk1 , que era uma aeronave modificada para transportar a bomba no fundo da fuselagem. Esta bomba foi usada para destruir bases de submarinos alemães na costa francesa, tendo um poder de penetração no concreto de 7 metros. Foram utilizados 41 destas bombas durante a guerra.
   A Grand Slam foi tambem usadas contra as instalações dos S-boots lanchas rápidas, em um ataque foram lançadas 15 bombas destruindo várioa S-boots. Nos túneis ferroviários na França ocupada não era possivel atingir os trilhos que levavam os trens carregados com tanques Panzer para a Normandia, surgindo a necessidade da bombas Grand Slam, lançadas pelo Lancastes da RAF, cerca de 19 bombas penetraram 35,5 m das montanhas inutilizando os túneis e logo após foram utilizadas para destruir pontes, já que o tremor causado pelas bombas destruiram seus pilares de sustentação.
FOTOS DA GRAND SLAM: Lançada por um Lancaster, Buraco feito pela bomba, Lateral da bomba, Ponte atingida, Comparação com um homem, Produção

quinta-feira, 22 de março de 2012

Boeing KC-135 Stratotanker

Tipo: Avião de reabastecimento em voo e transporte
País de origem: Estados Unidos
Fabricante: Boeing
Primeiro voo: 31 agosto de 1956
Inicio do serviço: Junho de 1957
Retirado do serviço: versão E em 2009
Status: versão R ainda em uso
Primeiros usuários: Força Aérea Americana, França, Singapura e Turquia
Produção: 1954 a 1965
Total produzido: 803
Custo unitário: US$ 39.6 milhões
Desenvolvido a partir: Boeing 367-80
Variante: Boeing NC-135
Tripulação: 3 ( piloto, co-piloto e operador de reabastecimento, em missões é necessário um navegador)
Capacidade: 37 passageiros
Carga máxima: 37.600 kg
Comprimento: 41.53 m
Envergadura: 39.88 m
Altura: 12.70 m
Área das asas: 226 m²
Peso vazio: 44.663 kg
Peso carregado: 135.000 kg
Capacidade útil: 90.700 kg
Peso máximo de decolagem: 146.000 kg
Motores: 4 turbinas CFM International CFM56 (F108-CF-100) com 9.813 kg de empuxo cada 
Capacidade máxima de combustivel: 118.000 litros
Velocidade máxima: 933 km/h
Velocidade de cruzeiro: 852 km/h 
Alcance: 2.419 km com 68.039 kg de combustivel para transferência 
Alcance máximo: 17.766 km
Altitude: 15.200 m
Razão de subida: 1.490 m / min

   O Boeing KC-135 Stratotanker é uma aeronave militar de reabastecimento aéreo. Construido a partir de um Boeing 707, o protótipo foi chamado de Boeing 367-80. O KC-135 foi o primeiro avião a jato de reabastecimento e substituiu o Stratotanker KC-97. O Stratotanker foi inicialmente encarregado para reabastecer bombardeiros estratégicos, mas foi usado extensivamente na Guerra do Vietnã e os conflitos posteriores, como a Operação Tempestade do Deserto para ampliar o alcance e resistência das aeronaves norte-americanos e bombardeiros táticos.
   O KC-135 é usado pela Força Aérea Americana desde 1957, é uma de apenas seis aeronaves de asa fixa militar com mais de 50 anos de serviço contínuo com a sua operadora original. O KC-135 é suplementado pelo KC-10. Apesar dos custos de manutenção elevados, os estudos confirmam que muitos dos aviões podem ser utilizados até 2040, sendo substituído pelo Boeing KC-46Como seu irmão, o comercial avião a jato Boeing 707, o KC-135 foi derivado do jato de transporte Boeing 367-80. Como tal o KC-135 é similar na aparência com o 707, mas tem uma fuselagem mais estreita e é mais curto do que o 707. 
   Em 1954 o Comando Aéreo Estratégico da Força Aérea Americana realizou um concurso para um avião tanque de reabastecimento aéreo. A versão da Lockheed o L-193 foi declarado o vencedor em 1955. Mas a proposta da Boeing já estava voando, o KC-135 pode ser entregue dois anos antes e a Força Aérea Americana ordenou que 250 KC-135 fossem entregues, até a entrega dos aviões construídos pela Lockheed. No final, os pedidos para Lockheed nunca foram produzidos, enquanto a Boeing acabaria por dominar o mercado com seus aviões com base no 707. Em 1954 a Força Aérea colocou uma encomenda inicial de 29 KC-135A, a primeira de uma eventual de 820 aparelhos de todas as variantes. A aeronave voou pela primeira vez em agosto de 1956 e a produção inicial do Stratotanker foi entregue em junho de 1957. O último KC-135 foi entregue à Força Aérea em 1965.
   O modelo KC-135R teve o inicio de seu desenvolvimento em meados dos anos 50, a fuselagem é caracterizada por asas enflechadas e na cauda, quatro motores, um estabilizador horizontal montado sobre a fuselagem perto da parte inferior do estabilizador vertical com diedro positivo sobre os dois planos horizontais e uma antena de rádio frequência. Estas características básicas torná-lo fortemente semelhante ao Boeing 707 e 720 aeronaves comerciais, embora seja realmente um avião diferente. 
   O KC-135 foi inicialmente comprado para apoiar os bombardeiros do Comando Aéreo Estratégico, mas pelo final dos anos 60, no Sudeste da Ásia, a capacidade do KC-135 Stratotanker como um multiplicador de forças veio à tona. Reabastecendo aeronaves como os caças bombardeiros F-105 e F-4, bem como os bombardeiros B-52 estes puderam bombardear alvos distantes e permitiu aumentar o tempo de voo das missões de combate, ao invés de apenas alguns minutos, devido a limitação de reservas de combustível de cada aeronave. O KC-135 abastecia tanto a Força Aérea, Marinha e Fuzileiros, embora eles teriam que mudar a sonda e adaptadores, dependendo da missão. Os KC-135 também ajudaram a trazer aeronaves danificadas, devido a perca de combustível para o seu local de pouso, sendo usados em seu papel de apoio tático em conflitos posteriores, como Tempestade do Deserto e conflitos atuais.
   O Comando Aéreo Estratégico (SAC) teve o KC-135 Stratotanker em serviço aéreo regular com suas unidades de 1957 a 1992 e com a Guarda Nacional e Reserva da Força Aérea de 1975 a 1992. Após uma reorganização da Força Aérea Americana o SAC foi desativado em 1992, a maioria dos KC-135s foram reatribuídos ao recém-criado Comando de Mobilidade Aérea, ficando algumas aeronaves na Europa, no Pacífico, Alasca e Havaí.
   O Comando de Mobilidade Aérea possui mais de 481 Stratotankers, dos quais 292 ficam na reserva e apoiam a Guarda Nacional. O KC-135 é uma das aeronaves mais antigas em uso, após 50 anos de serviço continuo com a sua operadora original, junto com o Tupolev Tu-95, o Hércules C-130, o B-52 Stratofortress, o Electric Canberra e o Lockheed U-2.

Videos de aviões

Loading...