" Criei um aparelho para unir a humanidade, não para destruí-la. " - Santos Dumont

" Um prisioneiro de guerra é um homem que tentou matá-lo, não conseguiu e agora implora para que você não o mate. " - Winston Churchill
" Não sei como será a terceira guerra mundial, mas sei como será a quarta: com pedras e paus - Albert Einstein
" O objetivo da guerra não é morrer pelo seu país, mas fazer o inimigo morrer pelo dele - George S. Patton. "
" Só os mortos conhecem o fim da guerra " - Platão
"Em tempos de paz, os filhos sepultam os pais; em tempo de guerra, os pais sepultam os filhos." - Herodes

GUERRA IRÃ-IRAQUE 1980-1988

Guerra Irã-Iraque (1980-1988)


A Guerra Irã-Iraque de certa forma alterou permanente o curso da história iraquiana. A tensa vida política e social do Iraque, levou a graves deslocamentos econômicos. Visto de uma perspectiva histórica, o início das hostilidades em 1980 foi, em parte, apenas uma fase do antigo conflito árabe-persa que tem sido alimentada por disputas de fronteira do século XX. Muitos observadores, no entanto, acreditam que a decisão de Saddam Hussein em invadir o Irã foi um erro de cálculo pessoal baseada na ambição e uma sensação de vulnerabilidade. Saddam Hussein, apesar de ter avanços significativos na formação de um Estado-nação iraquiano, temia que uma nova liderança revolucionária do Irã pudesse ameaçar o equilíbrio delicado do Iraque e que fosse explorado as vulnerabilidades geoestratégica do Iraque - por exemplo o acesso mínimo do Iraque para o Golfo Pérsico. A este respeito, a decisão de Saddam Hussein em invadir o Irã tem precedente histórico; os governantes antigos da Mesopotâmia, temendo conflitos internos e conquista estrangeira, também se envolveram em batalhas frequentes com os povos das terras altas.

A Guerra Irã-Iraque foi multifacetado e incluía cismas religiosas, disputas fronteiriças e as diferenças políticas. Conflitos que contribuem para o início das hostilidades variou em varios séculos entre sunitas versus xiitas e árabes versus Persa disputas religiosas e étnicas, a uma animosidade pessoal entre Saddam Hussein e Ayatollah Khomeini. Acima de tudo, o Iraque lançou a guerra em um esforço para consolidar o seu poder em ascensão no mundo árabe e para substituir o Irã como o estado dominante do Golfo Pérsico. Phebe Marr, um analista de assuntos iraquianos, afirmou que "a guerra foi o resultado do julgamento político pobre e erro de cálculo por parte de Saddam Hussein", e "a decisão de invadir, tomada em um momento de fraqueza iraniano".

O Iraque reivindicou os territórios habitados por árabes (a sudoeste da província produtora de petróleo do Irã chamado Kuzistão), bem como o direito do Iraque ao longo do Shatt-el-Arab (Arvandroud). Iraque e Irã tiveram confrontos na fronteira há muitos anos e reviveu isto na disputa pela hidrovia Shatt al Arab em 1979. O Iraque afirmou que o canal de 200 km até a costa iraniana era seu território, enquanto o Irã insistiu que uma linha que corre pelo meio da hidrovia, foi negociado em 1975, como fronteira oficial. Os iraquianos, especialmente os líderes do Baath, consideram o tratado de 1975 apenas como uma trégua, e não uma solução definitiva.

Os iraquianos também perceram a revolucão islâmica do Irã como uma ameaça ao seu pan-arabismo. Khomeini, amarga a sua expulsão do Iraque em 1977 após 15 anos em An Najaf, prometeu vingar as vítimas da repressão Shia baathista. Bagdá tornou-se mais confiante, no entanto, uma vez que viram o invencível Exército Imperial do Irã se desintegrar, como a maioria de suas altas patentes foram executados. Em Khuzestan (Arabistão aos iraquianos), oficiais de inteligência iraquiano incitaram tumultos devido a disputas trabalhistas na região curda, uma nova rebelião fez com que o governo Khomeini tivesse graves problemas.

Os Iraquianos tinham todos os motivos para estar confiantes. Não só os iranianos tinham falta de liderança, mas as forças armadas iranianas, segundo estimativas da inteligência iraquiana, também não tinha peças de reposição para seus equipamentos de fabricação norte-americana. Bagdá, por outro lado, possuía forças completamente equipadas e treinadas. A moral estava elevada. Contra as forças armadas do Irã, incluindo o (Guarda Revolucionária), o Irã liderados por mullahs religiosos com pouca ou nenhuma experiência militar, os iraquianos poderiam reunir 20 divisões mecanizadas completas, equipadas com o mais recente material Soviético. Com o acúmulo militar iraquiano no final de 1970, Saddam Hussein tinha reunido um exército de 190.000 homens, com cerca de 2.200 tanques e 450 aviões.
Além disso, a área em todo o Shatt al Arab tinha obstáculos importantes, particularmente para um exército equipado com equipamento soviético. Comandantes iraquianos assumiram corretamente que os locais de passagem da Khardeh e rios Karun ficaram levemente defendida contra suas divisões mecanizadas, além disso, fontes da inteligência iraquiana informaram que as forças iranianas no Khuzestan, podiam incluir 2 divisões distribuídas entre Ahvaz, Dezful e Abadan, mas por fim existia apenas 1 batalão mal equipado. Teerã estava em desvantagem porque a área era controlada pelo 1° Corpo Regional com sede em Bakhtaran (anteriormente Kermanshah), enquanto que o controle operacional foi dirigido a partir da capital. No ano seguinte, apenas um punhado de unidades de tanques estavam em operação o resto do equipamento blindado tinha sido mal conservados.

Para os planejadores do Iraque, a única incerteza era a capacidade de combate da força aérea iraniana, equipada com alguns dos mais sofisticados aviões de fabricação americana. Apesar da execução dos principais comandantes da força aérea e pilotos, a força aérea iraniana tinha mostrado seu poder durante os distúrbios e manifestações locais. A força aérea também foi muito ativa na tentativa dos Estados Unidos para resgatar reféns americanos em abril de 1980. Esta demonstração de força tinha impressionado os tomadores de decisão Iraquiana, a tal ponto que eles decidiram lançar um ataque aéreo maciço de preferência em bases aéreas iranianas, em um esforço semelhante ao que Israel empregou durante a Guerra Árabe-Israelense em junho de 1967.

Ofensivas iraquiano, 1980-1982

Apesar da preocupação do governo iraquiano, a erupção da Revolução Islâmica em 1979 no Irã não destruiu imediatamente a aproximação iraquiana-iraniana que havia prevalecido desde o Acordo de Argel de 1975. Como um sinal do desejo do Iraque de manter boas relações com o novo governo em Teerã, o presidente Bakr enviou uma mensagem pessoal a Khomeini oferecendo "seus melhores votos para o amigável povo iraniano, por ocasião do estabelecimento da República Islâmica". Além disso, tão tarde quanto o final de agosto de 1979, autoridades iraquianas enviaram um convite para Mehdi Bazargan, o primeiro presidente da República Islâmica do Irã, para visitar o Iraque com o objectivo de melhorar as relações bilaterais. A queda do governo Bazargan no final de 1979, no entanto, levou a ascensão de militantes islâmicos pregando uma política expansionista, e isto azedou as relações do Iraque-Irã.

Os principais eventos que desencadearam a rápida deterioração nas relações ocorreu durante a primavera de 1980. Em Abril, o anúncio iraniano de ter apoiado Dawah para tentar assassinar o ministro das Relações Exteriores iraquiano Tariq Aziz. Pouco depois um ataque com granadas falhou em Tariq Aziz, Ad Dawah era suspeito de tentar assassinar um outro líder iraquiano, o ministro da Cultura e Informação Latif Nayyif Jasim. Em resposta, os iraquianos imediatamente cercaram os membros e apoiantes da Ad Dawah e deportado para o Irã milhares de xiitas de origem iraniana. No verão de 1980, Saddam Hussein ordenou a execução de suposto líder da Ad Dawah Ayatollah Sayyid Muhammad Baqr como Sadr e sua irmã.

Em setembro de 1980, combates fronteiriços irromperam no setor central, perto de Qasr-e Shirin, com uma troca de fogo de artilharia de ambos os lados. Poucas semanas depois, Saddam Hussein oficialmente revogava o tratado de 1975 entre o Iraque e o Irã e anunciou que o Shatt al Arab estava retornando a soberania iraquiana. O Irã rejeitou esta ação e houve hostilidades entre os dois lados, trocaram bombardeios dentro do território do outro, começando o que viria a ser uma guerra prolongada e extremamente cara.

Bagdá originalmente planejou uma vitória rápida sobre Teerã. Saddam esperava a invasão na área rica em petróleo de Khuzistan para resultar em uma revolta  contra o regime árabe fundamentalista islâmico de Khomeini. Essa revolta não se concretizou, no entanto, a minoria árabe e permaneceu leal a Teerã.

Em 22 de setembro de 1980, formações de caças iraquianos MiG-23s e MiG21s atacaram bases aéreas do Irã em Mehrabad e Doshen-Tappen (ambos próximo a Teerã), bem como Tabriz, Bakhtaran, Ahvaz, Dezful, Urmia, Hamadan , Sanandaj, e Abadan. Seu objetivo era destruir a força aérea iraniana no chão, uma lição aprendida a partir do conflito árabe-israelense em junho de 1967. Eles tiveram sucesso em destruir pistas, depósitos de combustível e munições, mas a maior parte das aeronaves do Irã ficaram intactos. As defesas iranianas foram pegas de surpresa, mas a invasão do Iraque falhou porque jatos iranianos foram protegidos em hangares especialmente reforçados e porque as bombas concebidas para destruir as pistas foram incapazes de destruir os aeródromos, devido ao seu tamanho. Poucas horas depois, os F-4 Phantoms iranianos decolaram da mesma base, com sucesso atacaram alvos estrategicamente importantes perto das principais cidades iraquianas, e voltaram para casa com poucas perdas.

Simultaneamente, seis divisões do Exército iraquiano entraram no Irã em três frentes, em um ataque surpresa inicialmente bem sucedido, onde dirigiu sua força até 8 km no interior e ocuparam 1.000 km quadrados de território iraniano.

Com um movimento na frente do norte, uma divisão de infantaria mecanizada iraquiana dominou a guarnição de fronteira em Qasr-e Shirin, uma cidade de fronteira na provincia de Bakhtaran, o território ocupado era de 30 km na direção leste para a base nas montanhas Zagros. Esta área foi estrategicamente importante porque a principal estrada de Bagdá-Teerã pasava neste ponto.

Na parte frontal central, as forças iraquianas capturaram Mehran, na planície ocidental das montanhas Zagros, indo para o leste até a base das montanhas. Mehran ficava em um lugar importante na principal estrada norte-sul, perto da fronteira do lado iraniano.

A principal onda do ataque estava no sul, onde cinco divisões blindadas e mecanizadas invadiram Khuzestan em dois eixos, um atravessava Shatt al Arab perto de Basra, o que levou ao cerco e ocupação eventual de Khorramshahr, e o segundo Susangerd , que tinha Ahvaz, a grande base militar no Khuzestan, como o seu objetivo. Unidades blindadas iraquianas facilmente atravessaram o canal Shatt al Arab e entraram na província iraniana de Khuzestan. Dehloran e várias outras cidades foram alvejadas e rapidamente ocupadas para evitar o reforço de Bakhtaran e de Teerã. Em meados de outubro, uma divisão completa avançou através de Khuzestan indo para Khorramshahr e Abadan e os campos de petróleo estratégicos nas proximidades. Outras divisões dirigiram-se para Ahvaz, a capital provincial e local de uma base aérea. Apoiadas por fogo de artilharia pesada, as tropas fizeram um avanço rápido e significativo - quase 80 km no primeiros dias. Na batalha para Dezful no Khuzestan, onde fica localizada uma importante base aérea, o comandante iaraniano do exército local pediu apoio aéreo, a fim de evitar uma derrota. O Presidente Bani Sadr, autorizou a libertação de muitos pilotos da prisão, alguns dos quais eram suspeitos de ainda ser leais ao xá. Com o aumento do uso da força aérea iraniana, o progresso do Iraque foi reduzido.

O último grande ganho de território pelos iraquianos ocorreu no início de novembro de 1980. Em 3 de novembro, as forças iraquianas chegaram a Abadan, mas foram repelidos por uma unidade de Pasdaran. Mesmo que cercados em Abadan por três lados e ocupando uma parte da cidade, os iraquianos não puderam superar a forte resistência, seções da cidade ainda sob o controle de iranianos foram reforçadas por barco durante a noite. Em 10 de novembro, o Iraque capturou Khorramshahr depois de uma luta sangrenta casa a casa. O preço dessa vitória foi alto para ambos os lados, cerca de 6.000 feridos no Iraque e ainda mais para o lado do Irã.
Ataques dispersos e a moral baixa das forças iranianas levaram muitos observadores a pensar que Bagdá poderia ganhar a guerra em questão de semanas. Na verdade, as tropas iraquianas capturaram o Shatt al Arab e não aproveitaram uma faixa de 48 km de extensão dentro do território iraniano.

O Irã pode ter impedido uma vitória rápida do Iraque por ter feito uma rápida mobilização de voluntários e a implantação de forças leais em Pasdaran. Além de convocar os pilotos iranianos, o novo regime revolucionário convocou também os veteranos do antigo exército imperial, apesar de muitos diretores experientes, a maioria foi treinado nos Estados Unidos. Além disso, o Pasdaran e Basij (o que Khomeini chamou de "Exército de vinte milhões" ou Milícia Popular) recrutou pelo menos 100 mil voluntários. Cerca de 200 mil soldados foram enviados para a frente de batalha até o final de novembro de 1980. Eles eram soldados ideologicamente comprometidos (alguns membros até carregavam suas proprias mortalhas, na expectativa do martírio). Por exemplo, em 7 de novembro unidades de comando desempenharam um papel significativo, com a marinha e a força aérea, em um assalto em terminais de exportação de petróleo iraquiano em Mina al Bakr e Al Faw. O Irã esperava diminuir os recursos financeiros do Iraque, reduzindo suas receitas de petróleo. O Irã também atacou o gasoduto do norte nos primeiros dias da guerra e convenceu a Síria a fechar o oleoduto iraquiano que cruzava seu território.

A resistência do Irã no início da invasão do Iraque foi inesperadamente forte, mas não foi bem organizada, nem igualmente bem sucedidos em todas as frentes. O Iraque avançou facilmente nas regiões do norte e central e esmagou a resistência dispersando os Pasdaran. As tropas iraquianas, no entanto, enfrentaram uma resistência incansável no Khuzestan. O Presidente Saddam Hussein pode ter pensado que aproximadamente 3 milhões de árabes do Khuzestan se uniria aos iraquianos contra Teerã. Em vez disso, muitos aliados regulares e irregulares do Irã lutaram nas batalhas de Dezful, Khorramshahr e Abadan. Logo após a captura de Khorramshahr, as tropas iraquianas perderam a iniciativa e começou a cavar ao longo da linha.

Teerã rejeitou uma oferta de acordo e manteve a linha contra a força superior do Iraque. Ele se recusou a aceitar a derrota, e, lentamente, começou uma série de contra-ofensivas em janeiro de 1981. Tanto os voluntários e as forças armadas regulares estavam ansiosos para lutar, este último vendo uma oportunidade para recuperar o prestígio perdido por causa de sua associação com o regime do xá.

O primeiro contra ataque do Irã, falhou, por razões políticas e militares. O presidente Bani Sadr foi envolvido em uma luta de poder com figuras religiosas e estava ansioso para ganhar apoio político entre as forças armadas por envolvimento direto nas operações militares. A falta de experiência militar, resultou em um ataque prematuro por três regimentos blindados e sem a assistência das unidades Pasdaran. Ele também não levou em conta que o tempo perto de Susangerd, que estava na estação chuvosa e faria do reabastecimento um grande problema. Como resultado da sua tomada de decisão tática, as forças iranianas foram cercados em três lados. Em uma longa troca de fogo, muitos veículos blindados iranianos foram destruídos ou tiveram que ser abandonados porque eles eram ou porque ficaram presos na lama ou necessitavam de reparos menores. Felizmente para o Irã, as forças iraquianas não conseguiram acompanhar com outro ataque.

O Irã parou as forças iraquianas no rio Karun e com limitadas reservas militares, revelou ser o "homem onda" assaltos, que usou milhares de Basij (Exército de Mobilização Popular ou Exército do Povo) voluntários. Depois de Bani Sadr foi deposto como presidente e comandante em chefe, o Irã conquistou a sua primeira grande vitória, quando, como resultado da iniciativa de Khomeini, o exército e a Pasdaran suprimiu a sua rivalidade e cooperou para forçar Bagdá a um longo cerco de Abadan em Setembro de 1981 . Forças iranianas também derrotaram o Iraque na área de Qasr-e Shirin em dezembro de 1981 e janeiro de 1982. As forças armadas iraquianas foram prejudicadas pela sua falta de vontade para sustentar uma alta proporção de vítimas e se recusava a iniciar uma nova ofensiva.

Apesar do sucesso do Iraque em causar grandes danos ao exército iraniano e a redução de combustível nos primeiros dias da guerra, a força aérea iraniana prevaleceu inicialmente na guerra aérea. Um dos motivos foi que os aviões iranianos poderiam transportar  duas ou três vezes maisbombas, ou em foguetes do que suas contrapartes iraquianas. Além disso, os pilotos iranianos demonstraram uma experiência considerável. Por exemplo, a força aérea iraniana atacou Bágda e as bases aéreas iraquianas nas primeiras semanas da guerra, procurando destruir o sistema de apoio. O ataque aos campos de petróleo do Iraque e ao complexo de bases aéreas de Al Walid, a base para os T-22 e bombardeiros Il-28, foi um assalto bem coordenado. Os alvos eram a mais de 800 km do Irã em Urumiyeh, de modo que os F-4 tiveram que reabastecer no ar para a missão. A força aérea do Irã contava com caças F-4 e F-5s para assaltos e alguns F-14 para reconhecimento. O Irã usou seus mísseis Maverick eficazes contra alvos terrestres, a falta de peças de reposição para os caças, forçou o Irã a substituir os aviões, por helicópteros para apoio aéreo aproximado. Os helicópteros não serviram apenas como transporte de tropas, mas também como transporte de emergência. Na área montanhosa perto de Mehran, o helicóptero mostrou-se muito eficaz em encontrar e destruir alvos como canhões antiaéreos ou mísseis portáteis. Durante as Operações Karbala  5 e 6, os iranianos utilizaram em grande escala de helicópteros nas operações nas frentes sul e central, entre eles, helicópteros Chinooks, UH-1 e Bell 214A Bell, que foram escoltados por helicópteros Sea Cobra.

No confronto com a defesa aérea iraquiana, o Irã logo descobriu que um grupo de dois, três ou quatro F-4s em voo de baixa altitude, poderiam atingir alvos em qualquer lugar no Iraque. Pilotos iranianos venceram os mísseis antiaéreos iraquianos SA-2 e SA-3, usando táticas americanas, desenvolvido no Vietnã, eram menos sucedidos contra iraquianos os novos SA-6s. O sistema de defesa ocidental do Irã era mais eficaz do que parecia, em comparação a do Iraque que era de fabricação soviética. No entanto, o Irã tinha dificuldades na operação e manutenção de misseis Hawk, Rapier e Tigercat, forçando a utilização de canhões antiaéreos e mísseis portáteis.

Retirada Iraquiana, 1982-1984

Em março de 1982, Teerã lançou sua Operação Vitória, que marcou um momento decisivo, como o Irã era praticamente "impenetrável" pelas forças do Iraque, o Iraque acabou dividindo suas forças oque forçou o recuo dos iraquianos. As forças do Iraque quebraram a linha perto Susangerd, separando unidades iraquianas no norte e no sul do Khuzestan. Dentro de uma semana, o Irã conseguiu destruir uma grande parte das três divisões iraquianas. Esta operação mostrava outro esforço conjunto do exército Pasdaran e Basij.

Em maio de 1982, as unidades de iranianas finalmente recuperaram Khorramshahr, mas com muitas baixas. Após esta vitória, os iranianos mantiveram a pressão sobre as restantes forças iraquianas e o presidente Saddam Hussein anunciou que as unidades iraquianas iriam se retirar do território iraniano. Saddam ordenou uma retirada para as fronteiras internacionais, acreditando que o Irã concordaria em acabar com a guerra. Mas o Irã não aceitou está ação como o fim do conflito e continuou a guerra no Iraque. No final de junho de 1982, Bagdá declarou a sua vontade de negociar um acordo de paz e de retirar suas forças do Irã. O Irã se recusou.

Em julho de 1982 o Irã lançou a Operação Ramadan em território iraquiano, perto de Basra. Apesar de Basra estar dentro do alcance da artilharia iraniana, o clero usou a "onda-humana" ataques dos Pasdaran e Basij contra as defesas da cidade, aparentemente a espera de um golpe para derrubar Saddam Hussein. Teerã usou as forças Pasdaran e voluntários Basij em uma das maiores batalhas desde 1945. Com idade variando de 9 a mais de 50 anos, esses soldados ansiosos, mas relativamente inexperientes varreram campos minados e fortificações para limpar o caminho para os tanques. Todos os assaltos enfrentaram fogo de artilharia iraquiana e tiveram pesadas baixas. Os iranianos sofreram um número imenso de vítimas, mas permitiu ao Irã recuperar parte de seu território, antes que os iraquianos repelissem o grosso das forças invasoras.

Até o final de 1982, o Iraque recebeu novos armamentos de origem soviética e a guerra terrestre entrou numa nova fase. O Iraque usou os novos tanques T-55 e T-62, lançadores de foguetes BM-21 Stalin e helicópteros Mi-24, afim de preparar um de tipo defesa nos modelos soviéticos, a defesa foi preparada em três linhas, repleto de obstáculos, campos minados e posições fortificadas. O Corpo de Engenheiros de Combate mostrou-se eficiente na construção de pontes sobre os obstáculos na água, em campos minados e na preparação de novas linhas de defesa e fortificações.

Ao longo de 1983 os dois lados demonstraram a sua capacidade de absorver e de infligir severas perdas. O Iraque, em particular, mostrou-se hábil na construção defensiva de pontos fortes e inundações de áreas de várzea para bloquear os ataques iraniano, dificultando o avanço das unidades mecanizadas. Ao invés de manobrar suas divisões blindadas, amobos os lados tendem em cavar e utilizar seus tanques como peças de artilharia. Além disso, ninguem conseguiu dominar seus tanques e controles de incêndio, tornando-se vulneráveis ​​as armas antitanque.

Em 1983, o Irã lançou três grandes, mas sem sucesso, ofensivas com grandes perdas, ao longo da fronteira. Em 6 de fevereiro, Teerã, usando 200 mil soldados "última reserva" das tropas Pasdaran, atacou ao longo de um trecho de 40 km perto Al Amarah, cerca de 200 km a sudeste de Bagdá. Com apoio aéreo, blindados e apoio de artilharia, o ataque do Irã, com seis divisões foi forte suficiente para romper a linha. Em resposta, Bagdá usou ataques aéreos maciços, em mais de 200 missões, a maior parte com helicópteros de ataque. Mais de 6.000 iranianos foram mortos naquele dia, ao conseguir apenas uma vitória de minutos. Em abril de 1983, oo norte de Bagdá, centro de Mandali testemunhou uma luta feroz, como repetidos ataques iranianos, mas estes foram detidos por divisões mecanizadas e de infantaria iraquianas. Houve muitas baixas, e até o final de 1983, havia uma estimativa de 120 mil iranianos e 60 mil iraquianos mortos.

No início de 1984, o objetivo militar de Bagdá mudou, oque era de controlar o território iraniano, passou a ser de impedir qualquer ganho de território do Iraque, por parte de Teerã. Além disso, o Iraque tentou forçar o Irã a mesa de negociações por vários meios. Primeiro, o presidente Saddam Hussein procurou aumentar recursos humanos da guerra e os custos econômicos para o Irã. Para esta finalidade, o Iraque comprou armas novas, principalmente da União Soviética e França. O Iraque também concluiu a construção do que veio a ser conhecido como "zonas de assassinato" (que consistia principalmente de áreas artificialmente alagadas perto de Basra) para parar unidades iranianas. Além disso, de acordo com algumas fontes, Bagdá utilizou armas químicas contra concentrações de tropas iranianas e lançaram ataques em muitos centros econômicos. Apesar da determinação do Iraque para conter progressos iranianos, unidades iranianas em março de 1984 capturaram as Ilhas Majnun, onde existem grandes campos de petróleo, de grande valor econômico e estratégico.

Em segundo lugar, o Iraque virou-se para os meios diplomáticos e políticos. Em abril de 1984, Saddam Hussein enviou propostas para atender Khomeini pessoalmente em um local neutro para discutir as negociações de paz. Mas Teerã rejeitou essa oferta e reinterou a sua recusa em negociar com o presidente Hussein.

Em terceiro lugar, o Iraque procurou envolver as superpotências como um meio de acabar com a guerra. Os iraquianos acreditavam que este objetivo poderia ser alcançado por atacar transportes iranianos. Inicialmente, Bagdá emprestou da França, caças Super Etendard armados com mísseis Exocet. Em 1984, o Iraque devolveu esses aviões para a França e comprou cerca de 30 caças Mirage F-1, equipados com mísseis Exocet. O Iraque então lançou uma nova série de ataques contra navios iranianos em 01 de fevereiro de 1984.

A Guerra de Atrito, 1984-1987

Em 1984, foi relatado que cerca de 300.000 soldados iranianos e 250.000 soldados iraquianos foram mortos ou feridos. A maioria dos analistas militares estrangeiros sentiram que nem o Iraque nem o Irã usou seus equipamentos modernos de forma eficiente. Frequentemente, o uso de material sofisticado não era utilizado, quando um ataque moderno massivo poderia ter vencido a batalha de ambos os lados. Tanques e veículos blindados foram escavadas e usadas como peças de artilharia, em vez de ser manobrado para liderar ou apoiar um assalto. Os computadores existentes nos tanques iraquianos foram raramente usados, com isso a precisão dos tanques T-62 voltavam aos padrões da Segunda Guerra Mundial. Além disso, ambos os lados frequentemente abandonavam seus equipamentos pesados ​​na zona de combate, simplesmente porque não tinham pessoal qualificado necessários para realizar pequenos reparos.

Analistas também afirmam que os exércitos dos dois estados mostraram pouca coordenação e que algumas unidades foram abandonadas em campo para lutar em grande parte por conta própria. Nesta longa guerra de atrito, soldados e oficiais não mostravam iniciativa ou experiência profissional em combate. Decisões difíceis, que deveriam ter tido atenção imediata, foram encaminhados pelos comandantes para as capitais para tomada de decisões. Exceto em algumas ocasiões, em meados dos anos 80 a guerra estava num impasse.

No início de 1984, o Irã tinha começado a Operação Alvorada 5, que visava dividir o exército do Iraque em dois. de um lado o 3° Corpo do Exército do outro o 4° Corpo do Exército perto de Basra. No início de 1984, um número estimado de 500.000 soldados Pasdaran e Basij, usando pequenos barcos ou a pé, moveram-se a poucos quilômetros da estrátegica hidrovia Basra-Bagdá. Entre 29 de fevereiro e 01 março, em uma das maiores batalhas da guerra, os dois exércitos entraram em combate com mais de 25.000 mortes. Sem o apoio blindado e aéreo, os iranianos enfrentam tanques iraquianos, morteiros e helicópteros. Dentro de algumas semanas, Teerã abriu outra frente nos lagos dos pântanos de Hawizah, a leste de Al Qurnah, no Iraque, perto da confluência dos rios Tigre e Eufrates. As forças iraquianas, usando  helicópteros MI-24 e caças Mirage F-1, infligido pesadas baixas nas cinco brigadas iranianas cerca de 15.000 homens, na batalha de Majnun.

Falta equipamentos para abrir passagens seguras através dos campos minados do Iraque e tendo poucos tanques, o comando iraniano novamente recorreu a tática da onda-humana. Em março de 1984, um jornalista do Leste Europeu afirmou que ele "viu dezenas de milhares de crianças, amarrados juntos em grupos de cerca de vinte para impedir que os fracos de coração desertarem." Os iranianos fizeram progressos, apesar de poucos sacrifícios. Talvez como resultado desse desempenho, Teerã, pela primeira vez, usou uma unidade do exército regular, a 92° Divisão Blindada, na batalha dos Pântanos algumas semanas mais tarde.

Dentro de um período de quatro semanas entre Fevereiro e Março de 1984, os iraquianos teriam matado 40 mil iranianos e perdido cerca de 9.000 de seus homens, mas isso foi considerado uma perda inaceitável e em fevereiro o comando iraquiano ordenou o uso de armas químicas. Apesar das repetidas negações do Iraque, entre maio de 1981 e Março de 1984, o Irã alega o uso de armas quimicas em pelo menos 40 ações. O ano de 1984 fechou com parte das Ilhas Majnun e alguns bolsões de território iraquiano em mãos iranianas. Apesar das baixas, Teerã manteve sua postura militar, enquanto Bagdá reavaliou sua estratégia global.

Em 1985 os ataque tinham como alvo centros populacionais e industriais de ambos os lados. Em maio o Iraque começou ataques aéreos, ataques de artilharia de longo alcance e ataques de misseis superfície-superfície contra Teerã e em outras grandes cidades iranianas. Entre agosto e novembro, o Iraque invadiu a Ilha de Khark 44 vezes em uma tentativa vã de destruir suas instalações. O Irã respondeu com ataques aéreos e ataques de mísseis em Bagdá e outras cidades iraquianas. Além disso, Teerã sistematizou periodicamente suas operações de parada e busca em navios, que foram conduzidas para verificar o conteúdo de suas carga no Golfo Pérsico e apreender material de guerra destinado ao Iraque.

A primeira campanha real de bombardeios da Força Aérea Iraquiana, foi chamada de guerra das cidades, visando quebrar a moral de civis e perturbando alvos militares. Dois esforços do Iraque no início de 1985, a partir de 14 março a 7 abril e 25 maio a 15 junho, teriam sido muito eficazes. A oposição por parte da Força Aérea Iraniana foi insignificante a quase inexistente, os iraquianos atacaram bases aéreas, alvos militares e industriais em todo o Irã (em Tabriz, Urmia, Rasht, Bakhteran, Hamadan, Teerã, Isfahan, Dezful, Ahvaz, Kharg, Bushehr, e Shiraz). Mesmo os velhos bombardeiros Tu-16 foram usados com a escolta de MiGs-25 e Mirages F-1, seus alvos estavam a grandes distâncias como Kashan, a mais de 360 km de suas próprias bases. O Irã confirmou que Teerã estava sendo bombardeado por Tupolevs (Tu-16 Badger e bombardeiros Tu-22 Blinder) voando a altitudes muito elevadas. O peso da ofensiva de bombardeios do Iraque, estava a cargo de cerca de 600 pequenos aviões de combate, que visava esmagar a moral iraniana. Os iraquianos se gabavam de 180 incursões na capital iraniana. O sentimento para o fim da guerra em Teerã foi o maior desde o inicio do conflito, já que os iraquianos atingiam a cidade em uma média de duas vezes por dia e em duas ocasiões seis vezes. Entre as áreas atingidas estava Bagh e Saba o Quartel da Guarda Revolucionária, a estação de Teerã, o Colégio do Estado-Maior, a Academia Militar, o quartel do Exército e a base do Exército em Abbas Abbad. A area industrial pesada de Teerã obras perto de Javadieh foi atingida e até mesmo os três aeródromos militares que deveriam proteger a cidade de Mehrabad, Jey, e Qual'eh Murgeh foram repetidamente atacadas com impunidade.

O Iraque utilizou misseis "Scud" para atacar cidades iranianas forçando a República Islâmica a procurar uma resposta comparável. O Irã começou a Guerra Irã-Iraque sem capacidade de uso de misseis, mas conseguiu importar misseis SS-1 'Scud Bs' (R-17Es), em 1985 da Líbia e da Síria em 1986. A Guarda Revolucionária, que assumiu o comando das armas, usou-as contra o Iraque entre 1985 e 1988. Misseis Scud Bs do Irã, comprados da Síria, Líbia e Coréia do Norte, foram usados contra as principais cidades, incluindo Bagdá e Basra. Durante esta primeira guerra das cidades, a longa distância do Irã impediu que o Iraque atacasse com misseis a cidade de Teerã. Em 1988, no entanto, o Iraque tinha desenvolvido a capacidade dos misseis "Scud", causando surpresa ao Irã, após ataques contra seus principais aglomerados urbanos. Na primavera de 1988, o Iraque lançou 200 misseis contra Teerã, Qom e Isfahan. Apesar disso houve apenas 2.000 mortes, mas causaram pânico na população e centenas de milhares fugiram das cidades.

Durante a guerra, os líderes iranianos frequentemente exageravam em elogiar a capacidade de atingir alvos com seus mísseis. Apesar de seus misseis "Scud Bs" poderem atingir Bagdá, essas armas não tinham a precisão ou poder destrutivo para causar danos significativos. Além disso, o Irã foi incapaz de igualar a quantidade de misseis do Iraque. O Iraque disparou 361 misseis "Scud Bs" contra o Irã entre 1982-1988 e cerca 160 contra al-Hussein, em Teerã no início de 1988. Em contraste, o Irã disparou 117 'Scuds" durante toda a guerra, incluindo talvez 60 lançamentos contra Bagdá.

A única grande ofensiva terrestre, envolvendo cerca de 60.000 soldados iranianos, ocorreu em março de 1985, perto de Basra, mais uma vez, o assalto foi inconclusivo, e com pesadas baixas. Em 1986, no entanto, o Iraque sofreu uma grande perda na região sul. Em 9 de fevereiro, o Irã lançou um assalto anfíbio surpresa bem sucedido em todo o Shatt al Arab e capturou o porto petrolífero iraquiano abandonado de Al Faw. A ocupação de Al Faw, uma façanha logística, envolveu 30.000 soldados regulares iranianos que rapidamente se entrincheiraram. Saddam Hussein prometeu eliminar a ponte "a todo custo", e em abril de 1988 os iraquianos conseguiram readquirir a península de Al Faw.

Já tarde, em março de 1986, o secretário geral da ONU, Javier Perez de Cuellar, acusou formalmente o Iraque de usar armas químicas contra o Irã. Citando o relatório de quatro especialistas em guerra química que a ONU tinha enviado para o Irã em fevereiro e março de 1986, o secretário-geral exortou Bagdá para acabar com a sua violação do Protocolo de Genebra de 1925 sobre o uso de armas químicas. O relatório da ONU concluiu que "as forças iraquianas têm utilizado armas químicas contra as forças iranianas", as armas usadas incluía tanto gás mostarda e gás de nervos. O relatório afirma ainda que "o uso de armas químicas pareceu ser mais intenso em 1981 do que em 1984. " O Iraque tentou negar o uso de produtos químicos, mas a evidência, na forma de muitos feridos gravemente queimados levados para hospitais europeus para o tratamento, foi esmagadora. De acordo com um representante britânico na Conferência de Desarmamento em Genebra, em Julho de 1986, " A guerra química iraquiana foi responsável por cerca de 10.000 vítimas." Em março de 1988, o Iraque voltou a ser acusado de um uso maior de guerra química, enquanto retomava Halabjah, uma cidade curda no nordeste do Iraque, perto da fronteira iraniana.

No entanto em 1986, para desalojar os iranianos de Al Faw, os iraquianos partiram para uma ofensiva, eles capturaram a cidade de Mehran em maio, apenas para perdê-lo em julho de 1986. O resto de 1986 testemunhou pequenos ataques de ambos os lados, enquanto os iranianos concentravam cerca de 500.000 soldados para uma outra operação a "ofensiva final", prometeu mas não ocorreu. Mas os iraquianos, talvez pela primeira vez desde o início das hostilidades, começou uma campanha concentrada de ataques aéreos em julho. Ataques pesados ​​em Khark Ilha forçaram o Irã de contar com instalações improvisadas mais ao sul do Golfo em Sirri e Ilha Larak. Então, os jatos iraquianos, reabastecidos no ar ou usando uma base militar saudita, em hit Sirri e Larak, atacaram cerca de 111 navios neutros no Golfo em 1986.

Enquanto isso, para ajudar a se defender, o Iraque construíu fortificações impressionantes ao longo da frente de batalha que era 1.200 km. O Iraque dedicou especial atenção à cidade de Basra, onde instalou bunkers, tanques, artilharia, campos minados, extensões de arame farpado, tudo protegido por um lago criado artificialmente com 30 km de comprimento e 1.800 metros de largura. A maioria dos visitantes dessa área reconheceu a eficacia da engenharia de combate iraquiani em erguer essas barreiras.

No final de 1986, rumores de uma ofensiva final contra Basra proliferaram. Em 08 de janeiro de 1987, a Operação Karbala 5 começou, com unidades iranianas empurrando para o oeste entre o Lago de Peixe e do Shatt al Arab. Esta "ofensiva final" anual capturou a cidade de Duayji e infligiu 20.000 baixas ao Iraque, mas ao custo de 65.000 baixas iranianas. Nesta operação intensiva, Bagdá também perdeu 45 aviões. Tentando capturar Basra, Teerã lançou vários ataques, alguns desses assaltos bem disfarçados, desvio a atenção das Operações Karbala 6 e 7. O Irã abotou a Operação Karbala 5 em 26 de fevereiro de 1987. Em bora o impulso iraniano de quebrar a última linha de defesa do Iraque a leste de Basrachegou ter chegado perto, Teerã foi incapaz de marcar o avanço decisivo necessário para obter a vitória pura e simples ou até mesmo para garantir ganhos relativos sobre o Iraque.

No final de maio de 1987, justamente quando a guerra parecia ter chegado a um impasse total na frente sul, os relatórios do Irã indicavam que o conflito foi se intensificando na frente norte do Iraque. Este assalto, a Operação Ten Karbala, foi um esforço conjunto por unidades iranianas e rebeldes curdos iraquianos. Eles cercaram a guarnição de Mawat, pondo em perigo os campos de petróleo do Iraque em Kirkuk e perto do oleoduto do norte para com a Turquia.

Acreditando que ele poderia ganhar a guerra apenas por manter a linha e infligir perdas inaceitáveis ​​sobre os iranianos, o Iraque inicialmente adotou uma estratégia defensiva estática. Esta foi bem-sucedida em repelir sucessivas ofensivas iranianas até 1986 e 1987, quando a península de Al-Faw foi perdida e as tropas iranianas chegaram as portas de Al-Basrah. Constrangido com a perda da península e preocupado com a ameaça sobre sua segunda maior cidade, Saddam ordenou uma mudança de estratégia. A partir de uma postura defensiva, em que as operações de contra-ataques só foram ofensivas para aliviar as forças sob pressão ou para explorar falha nos assaltos iranianos, os iraquianos adotaram uma estratégia ofensiva. Mais a autoridade de decisões foi delegada aos altos comandantes militares. A mudança também indicou um amadurecimento das capacidades militares iraquianas e uma melhoria na eficacia das forças armadas. O sucesso desta nova estratégia, mais a variação atendente na doutrina e procedimentos, praticamente eliminaram as capacidades militares do Irã.

Enquanto a guerra continuava, o Irã estava cada vez mais sem peças de reposição para seus aviões danificados, sem contar um grande número de aviões perdidos em combate. Como resultado, no final de 1987 o Irã tornou-se menos capaz de montar uma defesa eficaz contra a força aérea iraquiana, muito menos contra-ataques de sua força aérea.

A Guerra-cisterna, 1984-1987

Grande parte da capacidade de exportação do Iraque foi perdida durante a Guerra Irã-Iraque ou devido a razões políticas. Em 1982, por exemplo, a Síria (aliada do Irã no momento) fechou o acesso do Iraque até o Mar Mediterrâneo e aos mercados de petróleo da União Europeia, com uma capacidade de 650 mil barris/dia o Iraque não tinha a quem vender seu petróleo. Em 1983, a capacidade do Iraque de exportação foi de 700 mil barris/dia, ou menos de 30% da capacidade operacional de produção na época.

A receita caiu depois da Revolução iraniana 1978/79, seguido logo depois pela Guerra Irã-Iraque para nunca mais se recuperou. Toda a produção petrolífera iraniana de oléo bruto e do campo de Forozan (que é misturado com o petróleo de Abuzar e de Doroud) sendo exportado a partir do terminal localizado na Ilha Kharg no norte do Golfo. A capacidade original do terminal que era de 7 milhões de barris / dia foi quase eliminado, devido a mais de 9.000 ataques aéreos durante a Guerra Irã-Iraque.

A guerra de petroleiros parecia provável para precipitar um incidente internacional importante por duas razões. Primeiro, cerca de 70% dos japoneses, 50% dos europeus ocidentais, e 7% das importações petrolíferas norte-americanas vieram do Golfo Pérsico no início de 1980. Segundo, houve ataques a navios de nações neutras, assim como os navios dos Estados beligerantes.

A guerra de petroleiros teve duas fases. A primeira fase relativamente obscura começou em 1981 e a segunda fase a bem divulgada começou em 1984. Já em Maio de 1981, Bagdá tinha declarado unilateralmente uma zona de guerra e tinha avisado oficialmente todos os navios indo para ou voltando de portos iranianos na zona norte do Golfo para ficar longe ou, se eles entraram, para prosseguir em seu próprio risco. Os principais alvos nessa fase foram os portos de Bandar-e Khomeini e Bandar-e Mashur; muito poucos navios foram atingidos fora dessa zona. Apesar da proximidade destas portas para o Iraque, a marinha iraquiana não desempenhou um papel importante nas operações. Em vez disso, Bagdá usou ​helicópteros Super Frelon equipados com mísseis Exocet, Mirage F-1s e MiG-23s para bater suas metas. Estas operações navais chegaram a um impasse, presumivelmente porque o Iraque e o Irã tinham perdido muitos de seus navios, no início de 1981, a trégua na luta durou dois anos.

Em março de 1984, a guerra de petroleiros entrou na sua segunda fase, quando o Iraque iniciou sustentadas operações navais na sua zona de exclusão auto declarada de 1.126 km de extensão marítima, que se estendia desde a foz do Shatt al Arab ao porto iraniano de Bushehr. Em 1981, Bagdá tinha atacado portos iranianos e complexos petróliferos, bem como navios neutros e navios indo para o Irã, em 1984 o Iraque expandiu a guerra aos petroleiros, usando aviões de combate Super-Etendard franceses armados com mísseis Exocet.

Em março de 1984, um caça Super Etendard iraquiano lançou um míssil Exocet em um petroleiro grego de Khark Island. Até o assalto de março, o Irã não tinha atacado intencionalmente navios civis e mercantes no Golfo, estes alvos neutros se tornaram alvos favoritos, as missões ao sul ficaram a cargo de caças Super Étendard. Cerca de 71 navios mercantes foram atacados em 1984, contra 48 navios nos três primeiros anos da guerra. O Iraque aumentava seu ritmo de ataque e tinha o desejo de romper o impasse, presumivelmente por cortar as exportações de petróleo do Irã e forçando Teerã à mesa de negociações. Repetidos esforços do Iraque não conseguiram colocar fim ao principal terminal de petróleo do Irã localizado na Ilha Khark, no entanto.

A nova onda de ataques iraquianos, levaram o Irã a retribuir. Em abril de 1984, Teerã lançou seu primeiro ataque contra a navegação comercial civil, utilizando bombardeios, afundaram um cargueiro indiano. O Irã atacou um petroleiro do Kuwait perto de Bahrein em 13 de maio e, em seguida, um petroleiro saudita  cinco dias depois, deixando claro que se o Iraque continuasse a interferir com a navegação do Irã, nenhum Estado do Golfo seria seguro. A maioria dos observadores considera que os ataques iraquianos, no entanto, estava em menor número que os assaltos iranianos que era de 3 para 1. Ataques de retaliação do Irã, foram em grande parte ineficazes porque existia um número limitado de aviões equipados com mísseis antinavio de longo alcance e navios com misseis de longo alcance superfície-superfície foram implantados. Além disso, apesar das repetidas ameaças do Irã para fechar o Estreito de Ormuz, ele mesmo dependia dessas rotas marítimas para as exportações de seu petróleo.

Estes ataques sustentados cortaram as exportações de petróleo iraniano ao meio, reduzindo a navegação no Golfo em 25 %, a empresa Lloyd, de Londres, aumentou as suas taxas de seguro de navios-tanque e retardou a exportação de petróleo para o resto do mundo, além disso, a decisão da Arábia Saudita em 1984 de abater um avião F-4 Phantom iraniano em águas sauditas, desempenharam um papel importante no fim das tentativas de ambos os beligerantes "para internacionalizar a guerra dos petroleiros. Iraque e Irã aceitaram uma moratória em 1984 patrocinada pela ONU sobre o bombardeio de alvos civis, e Teerã mais tarde propôs uma extensão da moratória aos navios no Golfo, uma proposta rejeitada pelo Iraque a menos que fosse incluída seus próprios portos no Golfo.

O Iraque começou ignorando a moratória logo depois que entrou em vigor e intensificou os ataques aéreos sobre os petroleiros servindo ao Irã e instalações exportadores de petróleo iranianas em 1986 e 1987, atacando até mesmo navios que pertenciam aos estados árabes conservadores do Golfo Pérsico. O Irã respondeu a seus ataques contra o transporte servindo os portos árabes do Golfo. O Kuwait teve grande influência nessas incursões de retaliação, o governo do Kuwait procurou ajuda da comunidade internacional no outono de 1986. A União Soviética respondeu primeiro, concordando acompanhar os seus navios soviéticos até o Kuwait no início de 1987. Washington, que tem foi abordado pelo Kuwait e que tinha adiado a sua decisão. O envolvimento dos Estados Unidos foi selado em 17 de maio de 1987 quando houve um ataque de mísseis do Iraque sobre o USS Stark, em que 37 membros da tripulação foram mortos. Bagdá, pediu desculpas e alegou que o ataque foi um erro. Ironicamente, Washington utilizou o incidente pra culpar o Irã para a escalada da guerra e enviou seus próprios navios para o Golfo para escoltar 11 petroleiros do Kuwait que usaram a bandeira americana e com tripulação norte-americana. O Irã evitou atacar diretamente a força naval dos Estados Unidos, mas utilizou várias formas de assédio, incluindo minas, ataques de barcos patrulha, e periódicas operações. Em várias ocasiões, disparou misseis de fabricação chinesa contra o Kuwait a partir da peninsula de Al Faw. Quando forças iranianas atingiram o petroleiro Sea Isle City, em Outubro de 1987, Washington retaliou destruindo uma plataforma de petróleo no campo de Rostam e  usando Comandos SEAL americanos para explodir uma segunda plataforma nas proximidades.

Dentro de algumas semanas do incidente com o Stark, o Iraque voltou a atacar navios, mas dessa vez mais ao sul, perto do Estreito de Ormuz. Washington desempenhou um papel central na definição da Resolução do Conselho de Segurança da ONU 598 sobre a guerra do Golfo, foi aprovada por unanimidade em 20 de julho; tentativas do Ocidente para isolar o Irã foram frustrados, contudo, quando Teerã rejeitou a resolução porque ela não cumpria a sua exigência de que o Iraque deveria ser punido pelo início do conflito.

No início de 1988, o Golfo virou um teatro de operações. Com pelo menos dez navios ocidentais e oito navios regionais patrulhando a área, não foram capazes de impedir novos ataques a navios mercantes. A empresa de reparos Arab Ship Repair no Bahrein e em Dubai, não foram capazes de realizar todos os reparos necessários nos navios atingidos em ataques.

Envolvimento gradual das Superpotências.

Ganhos militares iranianos no Iraque depois de 1984 foram uma das principais razões para o envolvimento das superpotências na guerra. Em fevereiro de 1986, as unidades iranianas capturaram o porto de Al Faw, que tinha instalações de petróleo e foi um dos principais exportadores do Iraque antes da guerra.

No início de 1987, ambas as superpotências indicaram seu interesse na segurança da região. O vice-chanceler soviético Vladimir Petrovsky fez uma viagem pelo Oriente Médio expressando a preocupação de seu país sobre os efeitos da Guerra Irã-Iraque. Em maio de 1987, o secretário adjunto americano Richard Murphy também visitou o Golfo enfatizando o compromisso em defesa dos estados árabes da região, um compromisso que se tornou suspeito como resultado da transferência de Washington de armas para os iranianos, oficialmente como um incentivo para que eles ajudassem na libertação de reféns americanos presos no Líbano. Em outro esforço diplomático, as duas superpotências apoiaram as resoluções do Conselho de Segurança da ONU que buscava o fim da guerra.

A guerra parecia estar entrando em uma nova fase em que as superpotências estavam se tornando mais envolvidas. Por exemplo, a União Soviética, que tinha paralisado o envio de suprimentos militares para o Irã e Iraque em 1980, retomou a venda em larga escala de armas ao Iraque, em 1982, depois que o Irã proibiu o Tudeh e julgou e executado a maioria de seus líderes. Posteriormente, apesar de sua neutralidade a União Soviética se tornou o principal fornecedor de armas sofisticadas para o Iraque. Em 1985 os Estados Unidos começaram clandestinas negociações diretas e indiretas com as autoridades iranianas, que resultou em várias transferências de armas para o Irã.

Ao final da primavera de 1987, as superpotências tornaram-se diretamente mais envolvidas, pois eles temiam que a queda de Basra poderiam levar a uma república pró-iraniana islâmica em grande parte Shia em povoados ao sul do Iraque. Eles também estavam preocupados com a guerra contra petroleiros.

Armas especiais.

Para evitar a derrota, o Iraque procurou todas as armas possíveis. Isto incluiu o desenvolvimento de uma capacidade auto-sustentável de produzir quantidades significativas de armas químicas. Na defesa, as armas químicas ofereceram uma solução para as massas levemente armadas em Basif Posdoran. Armas químicas foram singularmente eficazes quando utilizadas em áreas de aglomeração de tropas e apoio de artilharia. Ao conduzir operações ofensivas, o Iraque rotineiramente apoiava seus ataques com com produtos químicos integrados nas defesas, postos de comando, posições de artilharia logísticas.

Durante a Guerra Irã-Iraque, o Iraque desenvolveu a capacidade de produzir, armazenar e usar armas químicas. Estas armas químicas que consistem na série H-blister e agentes da série G nervosas. O Iraque utilizou esses agentes em várias munições ofensivas, incluindo foguetes, granadas de artilharia, bombas aéreas e nas ogivas de mísseis Scud. Durante a guerra Irã-Iraque aviões iraquianos lançaram bombas de 250 kg e 500 kg com gás mostarda sobre alvos iranianos. Outros relatórios indicam que o Iraque pode ter instalado tanques de pulverização em um número desconhecido de helicópteros com tambores cheios de agentes desconhecidos (provavelmente de mostarda) em baixas altitudes.

O Irã lançou um ataque sem sucesso ao reator nuclear iraquiano de Osirak em 30 de Setembro de 1980. Em 7 de junho de 1981 Israel iniciou um ataque aéreo ao reator Osirak, destruindo-o, em um taque conjunto de caças israelenses F-15s e F-16s. O Iraque lançou sete ataques aéreos sobre o reator nuclear iraniana em Bushehr, entre 1984 e 1988 durante a Guerra Irã-Iraque, tudo indica que houve a destruição das instalações.

Em resposta aos ataques de mísseis iranianos contra Bagdá, 190 mísseis foram lançados pelos iraquianos durante um período de seis semanas em cidades iranianas em 1988, durante a "Guerra das Cidades". Os ataques de mísseis do Iraque causaram pouca destruição, mas cada ogiva teve um impacto psicológico e político, elevando o moral do Iraque, enquanto cerca de 30 % da população de Teerã fugiu da cidade. A ameaça de misseis contra a capital iraniana com mísseis capazes de carregar ogivas químicas é citado como uma das razões que levaram ao Irã a aceitar um acordo de paz desfavorável.

Rescisão de guerra

Quatro grandes batalhas foram travadas entre abril e agosto de 1988, em que os iraquianos derrotaram os iranianos. Na primeira ofensiva, chamada Blessed Ramadhan, a Guarda Republicana Iraquiana e unidades do Exército regular recapturaram a península Al-Faw. A batalha de 36 horas foi realizado de uma forma militar sofisticada, com duas vertentes principais, apoiado por desembarques anfíbios e aerotransportados com baixo uso de aeronaves de asa fixa. Nesta batalha, os iraquianos efetivamente utilizaram armas químicas, utilizando agentes nervosos contra comandos iranianos e instalações de controle, posições de artilharia e pontos de logística. Três operações subsequentes seguiram o mesmo padrão, embora fossem um pouco menos complexo. Após os ensaios, os iraquianos lançaram ataques bem sucedidos contra forças iranianas em Shalamjah perto de Al-Basrah e recapturado a área rica em petróleo de Majnun Islands. Mais ao norte, no último compromisso importante antes do cessar fogo de agosto de 1988, forças iraquianas blindadas e mecanizadas penetraram profundamente no Irã, derrotando as forças iranianas e capturando grandes quantidades de armas e artilharia.

No outono de 1988, os iraquianos exibiram em Bagdá as armas iranianas capturadas, cerca de três quartos do inventário de armas iranianas e quase metade das peças de sua artilharia e veículos blindados.

A guerra Irã-Iraque durou quase oito anos, a partir de setembro de 1980 até agosto de 1988. Ela terminou quando o Irã aceitou das Nações Unidas (ONU) a Resolução 598 do Conselho de Segurança, levando a uma 20 agosto de 1988 cessar-fogo.

Número de vítimas são altamente incertas, embora as estimativas sugerem mais de um e meio milhão de guerra e de guerra relacionados com vítimas - talvez até um milhão de pessoas morreram, muitos mais ficaram feridos, e milhões se tornaram refugiados. O Irã reconheceu que cerca de 300.000 pessoas morreram na guerra; estimativas do intervalo iraquianos mortos de 160.000 para 240.000. Iraque sofreu um número estimado de 375.000 mortes, o equivalente a 5,6 milhão para uma população do tamanho dos Estados Unidos. Outra 60.000 foram feitos prisioneiros pelos iranianos. Perdas do Irã pode ter incluído mais de 1 milhão de pessoas mortas ou mutiladas.

Sem diminuir o horror de qualquer guerra, as perdas iraniana nos oito anos de guerra Irã-Iraque parecer modesto em comparação com os dos concorrentes europeus nos quatro anos da Primeira Guerra Mundial, lançando alguma luz sobre os limites da tolerância iraniano para o martírio. A guerra ceifou pelo menos 300 mil vidas iranianos e feriu mais de 500 mil, de uma população total que até o final da guerra foi de quase 60 milhões. Durante a Grande Guerra, as perdas alemães foram mais de 1.700.000 mortos e mais de 4.200.000 feridos [de uma população total de mais de 65 milhões]. Perdas da Alemanha, em relação à população nacional total, foram pelo menos cinco vezes maior do que o Irã. França sofreu mais de 1.300.000 mortes e mais de 4.200.000 feridos. Os percentuais de pré-guerra da população mortos ou feridos foram 9% da Alemanha, 11% da França, e 8% da Grã-Bretanha.

No final, praticamente nenhuma das questões que normalmente são culpadas pela guerra tinha sido resolvido. Quando acabou, as condições que existiam no início da guerra permaneceu praticamente inalterada. Embora o Iraque venceu a guerra militarmente, e possuía uma vantagem militar significativa sobre o Irã em 1989, de 1991 Guerra do Golfo Pérsico reduzida capacidade do Iraque a um ponto onde existia uma paridade aproximada entre Irã e Iraque-condições semelhantes às encontradas em 1980. A ONU-arranjadas cessar-fogo apenas pôr fim aos combates, deixando dois estados isoladas para perseguir uma corrida armamentista com os outros e com os outros países da região. A máquina militar iraquiana - de numeração mais de um milhão de homens com um arsenal extenso de CW, de longo alcance Scud mísseis, uma força aérea grande e um dos maiores exércitos do mundo - surgiu como a força premier armados na região do Golfo Pérsico. No Oriente Médio, apenas o Israel Defense Force tinha capacidade superior.

O aiatolá Khomeini morreu em 03 de junho de 1989. A Assembleia de Peritos - um órgão eleito de clérigos seniores - escolheu o presidente cessante da república, Ali Khamenei, para ser seu sucessor como líder religioso nacional em que provou ser uma transição suave. Em agosto de 1989, Ali Akbar Hashemi-Rafsanjani, o presidente da Assembleia Nacional, foi eleito presidente por esmagadora maioria. O novo regime clerical iraniano deu primazia dos interesses nacionais sobre a doutrina islâmica.

Uma variedade de resolver questões humanitárias da guerra Irã-Iraque incluem uma incapacidade de identificar os combatentes mortos em combate e trocar informações sobre os mortos ou desaparecidos. O Irã concordou com a libertação de 5.584 prisioneiros de guerra iraquianos em abril de 1998, e as organizações de notícias reuniões intermitentes durante todo o restante do ano, entre funcionários do governo iraniano e iraquiano para alcançar um acordo final sobre o POW restantes, realizada por cada lado. O governo iraniano prometeu resolver as questões remanescentes POW com o Iraque em 1999. E operações conjuntas entre Irã e Iraque pesquisa foram iniciadas para identificar os restos mortais dos desaparecidos em ação.

Videos de aviões

Loading...